Home  >  Segurança

Uso da AI no combate a fraudes deve triplicar até 2021, aponta estudo

Segundo do SAS e ACFE, 25% das empresas planejam adotar AI e ML para combater fraudes em até dois anos

Da Redação

27/06/2019 às 11h00

Foto: Shutterstock

Enquanto apenas 13% das empresas usam a Inteligência Artificial e Machine Learning para detectar e impedir casos de fraudes, outros 25% planejam adotar essas tecnologias em até dois anos, segundo um estudo global desenvolvido pela Associação dos Investigadores de Fraude Certificados (ACFE) em parceria com o SAS.

Intitulada The Anti-Fraud Technology Benchmarking Report, a pesquisa em questão analisou os dados de mais de mil membros da ACFE em relação ao uso das tecnologias antifraude em suas empresas. Entre outras coisas, o levantamento também aponta aumento no uso de biometria, crescimento nos orçamentos de tecnologia antifraude e mudanças das técnicas de análise de dados - confira abaixo essas descobertas com mais informações.

- Aumento da biometria: uma a cada quatro empresas (26%) usa a biometria como parte de seus programas antifraude; outros 16% preveem implementá-la até 2021;

- Orçamentos crescentes: mais da metade das empresas (55%) planeja aumentar seus orçamentos de tecnologia antifraude nos próximos dois anos;

- Mudança das técnicas de análise de dados: até 2021, quase três quartos das empresas (72%) planejam fazer uso de monitoramento automatizado, relatórios de exceção e detecção de anomalias. Da mesma forma, cerca de metade das empresas prevê o uso de análise preditiva e modelagem (52%) e visualização de dados (47%).

"Conforme os criminosos encontram novas maneiras de usar a tecnologia para fazer novas vítimas, os especialistas em combate a fraudes também devem adotar técnicas mais avançadas para detê-los", diz Bruce Dorris, presidente da ACFE. "Mas entre elas, quais são as mais efetivas em ajudar as empresas a gerenciar os riscos crescentes de fraude? A resposta para essa pergunta é crucial para o sucesso de sua implementação das tecnologias com esse objetivo."

"Entender essas soluções e estratégias pode ajudar as empresas a compreender para onde o setor está se movendo e para onde devem direcionar os seus investimentos em tecnologia antifraude", afirma James Ruotolo, diretor sênior de Produtos e Marketing para Fraudes e Inteligência de Segurança do SAS. "O crescimento da Inteligência Artificial, do Machine Learning, e da modelagem preditiva revela que a análise avançada de dados está ajudando os investigadores a estarem à frente dos fraudadores mais sofisticados."