Home  >  Segurança

Um em cada seis sites e-commerce está desprotegido no Brasil

Segundo pesquisa do Serasa, número representa 16,4% dos e-commerces do país; especialista destaca cuidados para consumidores

Da Redação

17/05/2019 às 10h00

Foto: Shutterstock

Uma em cada seis lojas de e-commerce no Brasil não possui certificado de segurança para proteção de dados, segundo estudo da Serasa Experian em parceria com a BigData Corp. O número representa 16,4% dos e-commerces do país, entre os cerca de 920 mil disponíveis on-line.

De acordo com o levantamento, esses endereços não possuem o certificado de segurança (SSL – Secure Socket Layer), que promove uma conexão segura utilizando a criptografia entre o servidor e os dados trafegados, de forma a evitar o roubo de dados durante a transação.

Melhora
Além disso, a pesquisa aponta que houve uma melhora no volume de sites de e-commerce que buscaram o certificado de segurança em questão. Esse número passou de 79,7%, em agosto de 2018, para 83,6% em abril de 2019, conforme o estudo.

Cuidados
“Os brasileiros estão acostumados a comprar em lojas online, mas ainda correm riscos ao buscar produtos em sites desprotegidos. É importante estar atento a isso e verificar se há cadeado na barra de endereço, ou se há um “s” após o http (https), indicando segurança, além da identificação de “seguro” e “não seguro” dada por alguns navegadores”, afirma o diretor de Certificação Digital da Serasa Experian, Mauricio Balassiano.

Veja a seguir algumas dicas destacadas pelo especialista para que os consumidores protejam as suas informações nas compras on-line:

-Para verificar se o site é seguro, veja se ele está protegido por um Certificado Digital SSL, que identifica os servidores e protege as informações em tráfego entre o seu computador e o da loja. Para isso, basta observar alguns sinais simples. Veja se no browser há um cadeado fechado. Em caso positivo, clique em cima e verifique se o Certificado Digital SSL emitido está em nome da loja na qual você está comprando. Essa conferência pode ser feita no Selo de Segurança, que geralmente está no rodapé da página. Ao acessar o site, no endereçamento, verifique se o HTTP tem um S, ou seja, HTTPS. Essas providências garantem um ambiente seguro.

-Desconfie sempre de ofertas com preços muito abaixo do mercado e de última hora. E-mails com valores, promoções e vantagens muito especiais merecem total desconfiança. Nesses momentos, é muito comum que os cibercriminosos usem nomes de lojas bastante conhecidas para tentar invadir os dados do seu computador. Eles se valem de e-mails, SMS e réplicas de sites para tentar pegar informações e dados de cartão de crédito, senhas e informações pessoais do comprador, explica o diretor do Serasa Experian.

-Uma prática muito utilizada pelos golpistas no ambiente online é a de phishing. Os criminosos copiam as informações trocadas durante uma transação, dados como nome, endereço, CPF etc. Esses dados são coletados para fraude de identidade, que acontece quando dados de um consumidor são usados por terceiros para firmar negócios sob falsidade ideológica ou obter crédito sem a intenção de honrar os pagamentos.

-É importante, também, no caso de lojas desconhecidas e em caso de desconfiança, fazer uma pesquisa em sites dedicados à avaliação de lojas virtuais, como Reclame Aqui e e-Bit. Avaliar a reputação de uma loja é uma providência essencial a partir da experiência de outras pessoas.