Home  >  Negócios

China critica decisão dos EUA de incluir Huawei em “lista negra”

Com decisão, companhias chinesas agora precisam de autorização prévia do governo americano para comprar tecnologias de empresas dos EUA

Da Redação

16/05/2019 às 12h10

Foto: Shutterstock

A China criticou duramente nesta quinta-feira, 16/5, uma decisão recente do governo dos Estados Unidos de colocar a Huawei em uma “lista negra’. As informações são da Reuters.

De acordo com a agência de notícias, o governo chinês também afirmou que pretende tomar medidas para proteger as companhias locais em meio à guerra comercial do país com os EUA.

Um porta-voz do Ministério do Comércio da China disse que o governo local é fortemente contra a atuação de outros países no sentido de impor sanções unilaterais a instituições chinesas, aponta a Reuters.

A declaração do governo chinês acontece após o Departamento de Comércio dos EUA anunciar nesta quarta-feira, 15/5, a inclusão da Huawei – e de 70 afiliadas – em uma espécie de “lista negra” chamada Entity List. Na prática, segundo a agência, a iniciativa barra empresas da China de comprarem componentes e tecnologias de companhias dos EUA sem uma aprovação prévia do governo norte-americano.

Além disso, o presidente Donald Trump assinou uma ordem executiva nesta semana para impedir que organizações dos EUA utilizem equipamentos de telecomunicações feitos por empresas consideradas uma ameaça à segurança do país – o que poderia incluir a Huawei, que já foi classificada desta forma anteriormente por oficiais dos Estados Unidos.

Comunicado Huawei

Em nota enviada para a imprensa nesta quinta, 16/5, a assessoria de comunicação da Huawei divulgou o seguinte comunicado sobre o assunto. "A Huawei é a líder indiscutível em 5G. Estamos prontos e dispostos para debater com o governo dos EUA e propor medidas efetivas para garantir a segurança do produto. Restringir a Huawei de fazer negócios nos EUA não tornará os EUA mais seguros ou mais fortes; em vez disso, servirá apenas para limitar os EUA a alternativas inferiores e mais caras, deixando o país atrasado na implantação do 5G e, eventualmente, prejudicando os interesses das empresas e consumidores americanos. Além disso, restrições sem razão infringirão os direitos da Huawei e levantarão outras sérias questões legais."