Home  >  Plataformas

Microsoft anuncia novas versões do Terminal e Windows Subsystem for Linux

Companhia revelou atualizações das soluções durante a sua conferência para desenvolvedores Build, em Seattle, nos EUA

Mark Hachman, PC World/EUA

07/05/2019 às 11h00

Foto: Microsoft/divulgação

A Microsoft está preparando uma versão atualizada do aplicativo Windows Terminal, juntamente com um update para o Windows Subsystem for Linux, para usuários avançados que gostam de escavar as “entranhas” do sistema operacional.

Quando o Linux chegou na Edição de Aniversário há três anos, era considerado um dos aspectos mais revolucionários do Windows – um abraço surpreendente no sistema open-source ao qual a Microsoft tinha resistido anteriormente.

A companhia de Redmond revelou os dois updates durante a Microsoft Build, a sua conferência para desenvolvedores que acontece em Seattle, nos EUA, nesta semana.

De acordo com a empresa, um preview do app Windows Terminal já está disponível no momento, enquanto que o primeiro preview do Windows Subsystem for Linux 2 estará disponível no decorrer deste ano.

Apesar de ambas as interfaces serem normalmente atribuídas à linha de comando, o novo app do Terminal se parece mais com o Windows e com navegador Edge. Ele conta com abas, assim como o Edge, e com fontes do leste asiático, emojis e ligaduras, além de oferecer suporte para temas e extensões, segundo a Microsoft.

O Windows Subsystem for Linux é basicamente uma janela incorporada do Linux. A atualização, Windows Subsystem for Linux 2 (ou WSL 2), é baseada no kernel do Linux 4.19, conforme revelado pela Microsoft em um post no seu blog. A mesma tecnologia é construída dentro do Azure, de acordo com a empresa, e reduzirá o tempo de inicialização e diminuir o uso de memória para reduzir seu impacto no sistema.

“O WSL 2 também melhora a performance do sistema de arquivos I/O, compatibilidade com Linux, e pode rodar contêineres Docker nativamente para que uma VM (máquina virtual) não seja mais necessária para contêineres no Windows”, afirmou a Microsoft.