Home  >  Plataformas

CEO da Intel diz que escassez de chips não acontecerá mais

Bob Swan afirmou que o processo de fabricação não será mais uma restrição para o crescimento de clientes da companhia

Mark Hachman, da PCWorld (EUA)

02/05/2019 às 11h00

Foto: Shutterstock

O recém-confirmado executivo-chefe da Intel, Bob Swan, fez uma afirmação ousada na última semana, quando disse que o processo de fabricação nunca mais será uma restrição ao crescimento de clientes, após vários trimestres em que aconteceu exatamente isso.

Em outras palavras, a Intel disse que estava investindo novamente em mais capacidade de 14 nanômetros (nm), mesmo planejando oferecer um volume maior do que o planejado originalmente de produtos de 10nm de próxima geração nas festas de final de ano de 2019.

As declarações vieram quando a Intel relatou um tumultuado segundo trimestre do seu ano fiscal. O Client Computing Group, centrado em PCs – que tem lutado historicamente, e que a Intel gradualmente não enfatizou – relatou crescimento positivo de receita e lucro operacional, enquanto que o Data Center Group, historicamente mais bem-sucedido, viu declínio da receita e do lucro operacional. Isso, enquanto a Intel relatou uma receita estável de US$ 16,1 bilhões e uma queda de 11% no lucro, para US$ 4,0 bilhões, e reduziu as previsões de receita para o ano todo por causa de uma visão “mais cautelosa” do ano. Ufa!

Swan, que foi nomeado CEO permanente da companhia em janeiro, já supervisionou a retirada da empresa do mercado de modems para smartphones 5G. O executivo se referiu ao desinvestimento da McAfee pela Intel e à venda da Wind River como indicadores de que a companhia planeja voltar ao básico.

Ele também descreveu a decisão da empresa sobre o que fazer com a tecnologia 5G desenvolvida como um “trabalho em andamento”. “Ao fazer menos coisas, executamos melhor as coisas mais importantes”, disse.

Planos de processador de PC a caminho

A Intel tem estado bastante próxima de seus planos para o mercado de PCs, e pouco parece ter mudado. A empresa ainda planeja qualificar o seu primeiro chip de 10 nm, o Ice Lake, com clientes durante o segundo trimestre e os PCs com eles nas prateleiras das lojas no Natal. O que mudou é que a confiança da fabricante em sua produção de 10nm está melhorando, e planeja enviar mais unidades durante o quarto trimestre que o indicado anteriormente, de acordo com o executivo.

O mercado de PCs como um todo sofreu com a escassez de chips da Intel. A consultoria Gartner estimou que os envios mundiais de PCs caíram 4,6%, para 58,5 milhões de unidades durante o primeiro trimestre de 2019. A rival AMD, por sua vez, se beneficiou: sua participação no mercado de desktops subiu para 15,8% no quarto trimestre de 2018, e de notebooks, para 12,1%, de acordo com relatórios da Mercury Research.

Mas Swan disse na semana passada que a escassez de chips não vai acontecer novamente. “As áreas específicas onde precisamos melhorar a execução incluem atender a demanda do cliente e entregar nossa linha de produtos de 10nm”, afirmou. “E estamos fazendo progresso. Nossas restrições de fornecimento tiveram um impacto negativo nos ecossistemas de design de nossos clientes. Nos comprometemos a nunca mais ser uma restrição ao crescimento de nossos clientes. Aumentamos nossa capacidade de melhorar nossa posição no segundo semestre, embora o mix de produtos continue sendo um desafio no terceiro trimestre, já que nossas equipes alinham a oferta disponível com a demanda dos clientes”.

Especificamente, afirmou Swan, a empresa está priorizando a produção de chips de “grande núcleo” ou multinúcleo (multicore), em vez de chips menores, mais baratos e de “pequeno núcleo”. A implicação é que a Intel vai acompanhar mais de perto os seus preços publicados para os chips Core de desktop da 9ª geração recentemente anunciados, ao mesmo tempo em que os preços dos chips mais baratos Pentium Gold e Celeron aumentam.

Ainda assim, é difícil dizer o que os próximos trimestres representam para a Intel. Vazamentos anteriores, bem como um adicional nesta semana, implicam que a Intel ainda estará fabricando peças de 14nm até 2020, com um novo chip “Comet Lake” possivelmente programado para ser lançado na Computex. O “Ice Lake” era, em geral, considerado uma parte que seria produzida em pequenas quantidades, embora a Intel pareça estar negando isso agora. Espere: 2019 ainda pode ser uma aventura.

Tags