Home  >  Plataformas

Será o fim do desktop?

A recente introdução do Windows Virtual Desktop pode estar inaugurando o fim do tradicional sistema operacional para PCs

Steven J. Vaughan-Nichols, da Computerworld (EUA)

08/04/2019 às 10h00

Foto: Shutterstock

Estou prevendo há algum tempo que a Microsoft está nos afastando de seu sistema operacional Windows, centrado em PC, para uma versão de aluguel do Windows baseada em nuvem. Agora, com o beta do Windows Virtual Desktop finalmente aparecendo, estamos um passo mais próximo da morte do PC.

Tenho idade suficiente para lembrar como o PC mudou tudo. Antes disso, os usuários de computador dependiam de terminais burros e sistemas de compartilhamento de tempo, e as empresas ou escolas que tinham o poder de computação centralizado davam as ordens. Depois disso, todos nós tínhamos o nosso próprio poder de computação em nossas mesas, para fazer o que quiséssemos.

A chegada do beta de Windows Virtual Desktop é um prenúncio do fim da era do PC. Estamos prestes a dar um grande passo do passado centralizado/controlado.

E talvez isso seja bom para a maioria das pessoas. Eu percebi que, mesmo que nossas vidas se tornem cada vez mais centradas na tecnologia, menos pessoas realmente estão interessadas na tecnologia em si. Ah, eles adoram usá-la, mas entendem isso em um nível profundo? Não muito.

É claro que, ao mesmo tempo, para realizar qualquer trabalho com um computador, primeiro você tinha que aprender muito, sobre computadores, sistemas operacionais, comandos e muito mais. Eventualmente, “amigável” tornou-se o advérbio mais importante nos círculos de computação, e chegamos ao ponto da facilidade de uso que as pessoas nem falam mais sobre isso. Hoje, o Google mostrou com o seu Chrome OS que a maioria de nós pode fazer tudo o que precisa em um computador apenas com um navegador web.

Mas o caminho do Google não é o caminho da Microsoft. Em vez disso, estamos nos movendo primeiro para o Windows desktop-como-serviço (DaaS) por meio do Microsoft Managed Desktop (MMD). Isso reúne o Windows 10 Enterprise, Office 365 e Enterprise Mobility + Security e o gerenciamento de sistemas baseados em nuvem no Microsoft 365 Enterprise.

A próxima etapa, o Windows Virtual Desktop, permite que as empresas virtualizem aplicativos do Windows 7, do Windows 10, do Office 365 ProPlus e de outros aplicativos de terceiros em máquinas virtuais baseadas no Azure. Se tudo correr bem, você poderá se inscrever no Windows Virtual Desktop até o final do ano.

Claro, por enquanto, o Virtual Desktop é um jogo apenas para usuários corporativos. Espero que o Virtual Desktop seja oferecido aos consumidores em 2020. Até 2025, o Windows como um sistema operacional de desktop real será um produto de nicho.

Isso soa louco? Você sabe que a Microsoft realmente quer que você “alugue” o Office 365 em vez de comprar o Office 2019, não é?

Mas e sobre os jogos, você disse? Sempre teremos o Windows para jogos! Será? O Google, com seu serviço de nuvem de jogos Google Stadia, também está apostando que estamos prontos para mover nossos jogos para a nuvem. Não é um sonho. A Valve tem se saído muito bem há anos com a sua variação neste tema - o Steam.

Então, para onde tudo isso nos leva?

Eu vejo um mundo onde o PC desktop desaparece para todos, exceto para alguns. A maioria de nós estará escrevendo nossos documentos, preenchendo nossas planilhas e fazendo o que fazemos agora em nossos PCs por meio de aplicativos baseados em nuvem em terminais inteligentes que executam o Chrome OS ou o Windows Lite.

Se você quer um PC “real”, suas escolhas serão Linux ou macOS.

Bem, talvez ainda tenhamos Linux e macOS. Nenhuma das principais empresas do Linux – Canonical, Red Hat, SUSE – torna a área de trabalho uma prioridade mais. A área de trabalho do Linux continuará, mas continuará da mesma forma que é agora: uma plataforma apenas para entusiastas com potencial para usar.

O macOS, da Apple, que também tem o Unix como raiz, é essencial em alguns campos. Mas as vendas de Macs representam uma porcentagem cada vez menor do lucro líquido da companhia de Cupertino. Eu sei que o próprio Jonny Evans, da Computerworld dos EUA, espera que 2019 seja o ano em que os Macs farão grandes avanços no mercado de PCs. Eu não consigo ver isso.

Não é que os Macs não sejam ótimos. Eles são. Meus amigos que fazem um sério trabalho de vídeo juram por eles. Mas lembre-se do que eu disse sobre as pessoas se tornando menos técnicas?

Haverá também algumas pessoas que precisam do potência que só pode vir de ter processadores rápidos e rápido armazenamento em seu desktop. Mas nossos números estão diminuindo – assim como o mundo dos PCs desktop.