Home  >  Carreira

Serasa fica mais próxima do consumidor com estratégia transformadora

José Luiz Rossi é reconhecido no prêmio Executivo de TI do Ano 2019 por criar, junto com o time, ilha de excelência digital

Déborah Oliveira

20/03/2019 às 22h19

Foto: Divulgação

Engenheiro Mecânico de formação, José Luiz Rossi reconhece que no início da carreira havia poucas oportunidades para talentos nessa área. Assim, a tecnologia da informação (TI) apareceu como uma opção tentadora e bastante viável de desenvolvimento. Iniciou sua trajetória profissional em consultoria, na PwC, onde permaneceu por 13 anos, perpetuando sua atuação no setor. “Não foi planejado. É uma área que recomendo, porque tem visão abrangente de como empresas funcionam e isso contribuiu muito para minha formação profissional”, conta.

Antes de assumir a presidência da Serasa Experian em maio de 2014, Rossi passou pela IBM e foi também CEO da Capgemini no Brasil por quase seis anos. “Senti-me muito à vontade à frente da Serasa em razão do meu histórico.”
Dono da mentalidade de que uma boa liderança é possível por meio de um time forte, Rossi considera-se um orquestrador. “Somos uma empresa de 2,5 mil funcionários altamente capacitados e uma liderança inspiradora é fundamental nesse cenário. Boa parte do meu trabalho é mostrar a estratégia, o futuro e que eles têm condições para atingir seus objetivos”, revela o vencedor do prêmio Executivo de TI do Ano 2019, da IT Mídia, na categoria Serviços CEO.

Seu maior aprendizado até hoje é que é preciso se reinventar o tempo todo, assim como acontece com a tecnologia. “O mundo mudou de forma radical. É comum ver profissionais, mesmo jovens, ficando obsoletos, porque não se atualizaram. Para mim, isso é um grande aprendizado”, comenta ele, que diz ser observador e sempre se antecipar aos sinais dos novos tempos.

Foi com base nessa visão, que ele conduziu um projeto de transformação digital na Serasa Experian. Neste processo, no Brasil, foram criados produtos e serviços digitais, uma comunicação mais próxima do consumidor e do cliente, mudança de mindset e uma companhia muito mais ágil e inovadora.

Em 2016, com o objetivo de se aproximar do consumidor final e de criar uma ilha de excelência digital, a Serasa criou o conceito de fintech, o Serasa Consumidor. A startup tem a missão de levar o crédito para todos os brasileiros, com transparência e personalização na comparação de taxas de juros, facilidade e oportunidade na quitação de dívidas, prevenção a fraudes e, principalmente, educação financeira. O desafio, indica Rossi, foi criar uma unidade com uma forma de trabalhar totalmente diferente. Deu certo.

“Sempre tivemos uma relação muito forte B2B, mas faltava o elo do consumidor. Começamos, então, oferecendo dados para o cliente gratuitamente. Rapidamente, saímos de 4 milhões de consumidores para mais de 30 milhões”, revela.

Hoje, além de estar mais próximo do consumidor, o banco de dados da Serasa é maior, de melhor qualidade e seguro, algo que certamente diferencia a atuação da empresa frente aos concorrentes.

Após o sucesso com o Serasa Consumidor, Rossi e seu time deram início à jornada de transformação digital em toda a companhia. Adicionalmente, em 2017, nasceu um canal totalmente voltado para o empreendedor, o Serasa Empreendedor.

Em linha com a transformação, Rossi destaca ainda a criação do DataLab, laboratório de inovação. Com a iniciativa, a empresa dobrou sua estrutura de cientistas de dados nos últimos três anos chegando a 200 profissionais em 2018. Também aplicou Agile nos processos, levando o conceito para além das fronteiras de TI. Hoje, dois terços da companhia já fazem uso da metodologia. Segundo Rossi, a criação do DataLab democratizou o uso de marchine learning e inteligência artificial (AI) na companhia.

Essa transformação levou a um aumento de produtividade e time to market diante de um cenário tão complexo e competitivo, evitando o cancelamento de projetos antes de serem concluídos. Outro fator importante foi a satisfação dos clientes e consumidores ao entregar produtos e serviços trabalhando com a adição de novas metodologias.

“Também consideramos a mudança de paradigmas com uma nova mentalidade que permitisse mais autonomia para os times, melhor comunicação e transparência”, indica ele, revelando que a mudança começou efetivamente com a cultura.

Na linha de frente da Serasa, Rossi adianta que novas fases da transformação digital vêm por aí. A empresa lançará em breve um produto para teses modernas de nivelamento para trabalhar com big data, algo que ele indica ser inédito no mercado.

Tantas mudanças trouxeram um aprendizado único para Rossi: o de que é, sim, factível transformar uma gigante tradicional. “É possível”, reiterou. Para ele, ao executar a renovação bem-sucedida em uma área é altamente necessário replicar o modelo, guardada as devidas proporções, em outros departamentos e causar um efeito dominó da mudança.

Finalistas do prêmio Executivo de TI do Ano 2019 – Serviços – CEO

1º José Luiz Rossi, CEO da Serasa Experian

Eduardo Marini, CEO e cofundador da Green4T

3º Luiz Sérgio Vieira, CEO da EY Brasil