Home  >  Plataformas

Microsoft leva HoloLens 2 para corporativo

Fone de ouvido de realidade virtual atualizado da empresa promete experiência do usuário mais imersiva e confortável

Matthew Finnegan, Computerworld/US

11/03/2019 às 9h17

Foto: Divulgação

Microsoft divulgou nesta semana um headset HoloLens mais enxuto, mais potente e fácil de usar, com o objetivo de aumentar a aceitação da sua tecnologia de “realidade mista” nas empresas.

O HoloLens 2 foi apresentado pelo CEO da Microsoft, Satya Nadella, no Mobile World Congress (MWC), em Barcelona, no domingo. O aparato se baseia no HoloLens original, lançado em 2016.
Com o novo dispositivo, a Microsoft promete uma experiência de usuário mais imersiva e confortável, graças a uma série de melhorias de hardware e um ecossistema de software mais rico.

Os analistas dizem que o novo dispositivo pode criar impulso para a tecnologia de realidade aumentada (AR), que até agora não conseguiu uma tração séria. “A HoloLens é a grande mudança de que a indústria de AR precisava”, disse Anshel Sag, analista da Moor Insights & Strategy.

Melhorias no hardware do HoloLens 2

O dispositivo é voltado diretamente para aplicações no local de trabalho, como para trabalhadores de fábricas e executivos que colaboram remotamente. “Ficou óbvio, a partir do anúncio da Microsoft na MWC, que a empresa está claramente focada em empresas e casos de uso de negócios”, disse Annette Jump, diretora de pesquisa do Gartner.

Com isso em mente, o HoloLens 2 é considerado mais confortável de usar por períodos prolongados (o dispositivo dura entre duas e três horas por carga) devido a um design mais ergonômico e estrutura de fibra de carbono.
Agora, é possível usar óculos de sol comum com o fone de ouvido, por exemplo, e virar o visor para permitir que os usuários se envolvam em conversas cara a cara com colegas ou alternem tarefas sem precisar remover o fone de ouvido completamente.

A Microsoft também dobrou o campo de visão (FoV) em comparação com o HoloLens original – um dos principais problemas citados pelos usuários – e acrescentou novos recursos, incluindo eye-tracking para navegar pelos menus sem usar as mãos e um login por escaneamento de retina para o Windows Hello.

“Praticamente todas as reclamações que eu posso pensar sobre HoloLens 1 foram abordadas”, disse Sag. “Seja FoV, desempenho, peso, equilíbrio, conforto e vida útil da bateria, a empresa abordou essas preocupações com esse modelo”, completou.

“Obviamente, ainda há espaço para melhorias para expandir ainda mais a FoV tanto na horizontal como na vertical, mas acredito que essa versão é boa o suficiente para não ser mais considerada uma falha.”

Embora menos desajeitado do que seu antecessor, o novo dispositivo ainda não é pequeno. Enquanto Annette também acolheu os aprimoramentos como campo de visão, ela disse que melhorias contínuas na duração da bateria (além de duas ou três horas de uso intenso) e hardware mais leve serão bem-vindos no longo prazo.

Interagir com o dispositivo é mais fácil do que antes, disse a Microsoft. Além disso, a capacidade de agarrar e girar hologramas é mais natural, ao contrário de aprender gestos específicos.

“Pela primeira vez, você sentirá como é tocar um holograma, interagir com um holograma e brincar com ele. É possível quase esquecer que esse é um conteúdo digital, ao contrário do que existe no mundo real”, disse Alex Kipman, membro técnico do grupo Cloud e AI da Microsoft, em um post no blog da empresa.

A companhia de Redmond trabalhará com parceiros para adaptar a tecnologia às necessidades das indústrias verticais, começando com uma solução pronta para uso da Trimble, que criou um capacete para trabalhadores da construção civil com o HoloLens.

O Exército dos Estados Unidos também está adaptando a versão mais recente do headset de realidade mista para uso em combate – um acordo de US$ 480 milhões para fornecer até 100 mil dispositivos que foram criticados por um grupo de funcionários da Microsoft (e posteriormente defendido por Nadella em uma entrevista à CNN nesta semana).

Construindo um ecossistema de software de realidade mista

A disponibilidade de ferramentas de software é outro componente crítico para o sucesso do AR no local de trabalho. “A chave para liberar o potencial da HoloLens é a comunidade de desenvolvedores”, disse Nick McQuire, vice-presidente de pesquisa empresarial da CCS Insight. “A Microsoft já tem uma posição invejável nesse sentido e os recursos financeiros para realmente incentivar os desenvolvedores a investir na plataforma.”

A Microsoft já lançou dois aplicativos Dynamics 365 “mixed reality” para o d: o Remote Assist, que conecta técnicos de campo a especialistas remotos que podem fornecer orientações e anotações, e o Layout, para projetos de planta baixa virtual. Na semana passada, a Microsoft disse que planeja ter versões adaptadas dos dois aplicativos para dispositivos Android e iOS, em uma tentativa de ampliar o acesso ao seu software AR.

No MWC, a empresa também lançou um aplicativo, o Guides. Ele foi projetado para ajudar os funcionários, como trabalhadores de fábrica qualificados, a aprenderem com mais rapidez seus trabalhos, acelerando o processo de integração dos funcionários. O treinamento é visto como um dos principais usos para a realidade virtual e aumentada: o Walmart, por exemplo, implantou 17 mil fones de ouvido Oculus Go para ajudar os novos funcionários a aumentar a velocidade.

A Microsoft também destacou aplicativos criados por seus parceiros. A Spatial, empresa que vende ferramentas de colaboração em tempo real para dispositivos de AR, criou um aplicativo para o HoloLens 2 que usa rastreamento de mãos e rastreamento ocular aprimorados para interagir com hologramas de produtos e “notas adesivas” durante reuniões virtuais.

Uma parceria com o provedor de aplicativos de software industrial PTC reduzirá o tempo necessário para criar experiências de realidade mista incorporando ativos de modelo 3D existentes, enquanto uma colaboração com Phillips, se concentra no uso da realidade mista por cirurgiões na sala de operações.

A Microsoft também está lançando um conjunto de ferramentas de desenvolvimento de nuvem do Azure: Âncoras Espaciais do Azure, Renderização Remota e Gêmeos Digitais.

Parceiros poderiam desempenhar um papel fundamental no sucesso do HoloLens 2, de acordo com Sag. “Acredito que precisa haver uma parceria muito estreita entre a Microsoft, seus parceiros e os clientes de seus parceiros”, disse ele. Isso parece já estar acontecendo com os quatro primeiros parceiros anunciados pela Microsoft.

“Espero que as customizações de hardware e de software sejam importantes para muitos desses setores altamente regulamentados. Eles também precisam garantir que o fluxo de trabalho dos trabalhadores seja o mesmo ou melhor do que antes da introdução de HoloLens.”

HoloLens 2 pode aquecer a adoção do AR no trabalho?

Apesar do interesse na tecnologia, as vendas ao consumidor de dispositivos de realidade aumentada e realidade virtual até agora não corresponderam às expectativas.

Mas há sinais de crescimento mais forte, principalmente atribuídos ao espaço empresarial. As implementações comerciais serão responsáveis pela maioria dos US$ 20,4 bilhões previstos para serem gastos em dispositivos de AR e VR em 2019, de acordo com a IDC, em comparação com os US$ 12,1 bilhões do ano passado. Ainda assim, a maioria das implantações corporativas permanece no estágio do projeto piloto.

“Esse é um momento crítico nos ambiciosos planos da Microsoft para o HoloLens e para a realidade mista em geral”, disse McQuire sobre o lançamento desta semana. A combinação de aplicativos especializados, ferramentas de desenvolvimento e um fone de ouvido melhorado “pode ajudar a realidade mista a superar seu nicho, o status da experiência científica dentro das empresas”, disse ele.

“Os anúncios de [HoloLens 2] nos mostram que agora estamos entrando na próxima fase das experiências de computação com a realidade imersa e mista no centro, e essa fase provavelmente será incubada primeiro na empresa”, disse McQuire. “A grande questão é, a Microsoft pode ter sucesso onde tantos outros falharam em realidade aumentada?”

Mark Sage, diretor-gerente da AREA –grupo sem fins lucrativos focado na adoção da tecnologia AR na empresa – disse que as melhorias “ajudarão a entregar casos de uso e benefícios para as empresas” e “superarão alguns dos desafios tecnológicos enfrentados pelas empresas que desejam implantar o AR em toda a organização”.

No entanto, ele acrescentou que, juntamente com as melhorias tecnológicas, o setor de AR como um todo precisa se concentrar na remoção de barreiras comerciais para uma adoção mais ampla, como preocupações com segurança e proteção e a falta de dados sobre o retorno do investimento.

HoloLens 2 reduz preço

Por US$ 3,5 mil por fone de ouvido, o HoloLens 2 é mais acessível do que seu antecessor, que custava US$ 5 mil para a versão comercial de lançamento. Ainda assim, o preço é salgado.

O dispositivo também está disponível como parte de um modelo de assinatura que inclui o Dynamics 265 Remote Assist. Os preços são a partir de US$ 125 por usuário ao mês.

Tags