Home  >  Negócios

Huawei processa governo dos EUA por restrições de vendas no país

Empresa chinesa alega que houve inconstitucionalidade das restrições de vendas

Da Redação

07/03/2019 às 18h10

huawei
Foto: Shutterstock

Legenda:

A Huawei anunciou hoje (7/3) que entrou com uma queixa em um tribunal federal dos EUA, contestando a constitucionalidade da Seção 889 da Lei de Autorização de Defesa Nacional de 2019 (NDAA). Por meio da ação, a Huawei busca uma decisão declaratória de que as restrições à empresa são inconstitucionais, e uma liminar permanente contra essas restrições. O registro foi realizado em uma corte distrital no Texas, estado norte-americano onde está localizada a sede da empresa.

A chinesa alega que governo dos EUA acusa a marca de ser uma ameaça global de segurança, agir como espiã da China em outros países, violar banimentos comerciais com países com o Irã e até instalar componentes ou softwares espiões em dispositivos de telecomunicações.

Na última semana, inclusive, durante o Mobile World Congress (MWC) o presidente da empresa, Guo Ping, disparou contra o governo norte-americano. "As acusações dos Estados Unidos não têm nenhum fundamento”, disparou Ping. “Não operamos a rede das teles ou temos acesso a dados. Não fazemos nada de ruim. Não temos, nem nunca tivemos backdoors e não permitiremos que ninguém faça isso em nossos equipamentos”, disse.

Inconstitucionalidade das restrições de vendas

Na defesa da ação de inconstitucionalidade das restrições de vendas nos Estados Unidos, Ping disse que o banimento impediu a empresa de servir ao consumidores do país. "Isso feriu nossa reputação e nos privou de uma oportunidade de atender aos clientes de fora dos Estados Unidos. Isso viola o princípio de separação de poderes, quebra as tradições legais do país e vai contra a própria natureza da Constituição", afirmou.

A empresa ainda acusa o governo dos EUA de hackear os servidores da companhia e roubar dados sensíveis, como e-mails privados. A marca ainda afirmou que não é controlada ou influenciada pelo governo chinês em nenhuma instância e vai colaborar com qualquer investigação.