Home  >  Inovação

Especial IoT: 28 empresas com importantes avanços em internet das coisas

Bilhões de dispositivos conectados significam bilhões em receita para essas companhias

Computerworld UK

21/02/2019 às 11h08

Foto: Shutterstock

A internet das coisas (IoT) tem avançado bem além do status de ficção científica – infiltrando-se constantemente em fábricas, residências e empresas em todo o mundo.

A tecnologia da casa inteligente já está deixando sua marca, mas cidades inteligentes e empresas conectadas também estão em ascensão. É óbvio por que os gigantes da tecnologia em todo o mundo dobraram o desenvolvimento da tecnologia IoT.

Confira alguns dos mais poderosos e empolgantes experimentos com IoT atualmente.

1. Alibaba

O Alibaba, conglomerado chinês de comércio eletrônico e tecnologia, está fazendo sua parte para acelerar o crescimento do ecossistema IoT da China.

Sua divisão de computação em nuvem, o Alibaba Cloud, fez parceria com a Siemens no lançamento do MindSphere, um sistema operacional Industrial IoT (IIoT) anunciado para o final do primeiro trimestre de 2019. A tecnologia incorpora sensores que criam um "espelho" digital de produtos de consumo real das empresas, capturando e transmitindo informações importantes para aumentar a eficiência delas.

Esses tipos de insights também tem o escopo a ser aplicado em um nível amplo da sociedade para o monitoramento do transporte público e das cidades inteligentes.

2. JD.com

A JD.com, outra gigante chinesa do e-commerce, também está mergulhando nas águas da internet das coisas. Em dezembro de 2018, a empresa anunciou a intenção de se associar à Intel para explorar as possíveis aplicações da IoT no varejo inteligente.

Entre as áreas definidas para serem investigadas pelo The Digitized Retail Joint Lab são máquinas automáticas de última geração, soluções de mídia e publicidade e tecnologias que poderiam ser implantadas no espaço de varejo do futuro.
Atualmente, o projeto envolveu a JD.com integrando a tecnologia da Intel para rastrear métricas importantes como comportamento do consumidor e hábitos de compra.
O movimento avança o objetivo da JD.com de dominar no espaço de tecnologia de varejo, como um pioneiro de tecnologias que podem ser usadas por outras empresas de varejo.

3. DHL

A Empresa de logística alemã DHL mergulhou em IoT em 2017 com uma série de testes distribuídos por diferentes sites em todo o mundo. Isso foi distribuído pela primeira vez com a ajuda da Huawei, quando lançou um aplicativo de IoT de Banda Estreita (NB-IoT) em um site automotivo em Liuzhou, na China. A IoT de Banda Estreita é uma tecnologia de área ampla de baixa potência (LPWA), que permite que dispositivos IoT transmitam dados entre redes.

A DHL implementou a tecnologia para agilizar o gerenciamento de pátios para a logística de entrada para fabricação. Antes disso, seu negócio de Supply Chain colaborou com a Cisco e a startup Conduce para implantar cockpits da IoT em três de seus armazéns inteligentes na Alemanha, Holanda e Polônia. Isso permitiu que a DHL monitorasse as atividades em tempo real.

4. Konux

A alemã Konux entrega soluções de IoT ponto a ponto permitindo a manutenção preditiva às empresas ferroviárias e industriais, aproveitando uma combinação de sensores inteligentes e análises baseadas em inteligência artificial. Isso significa que as empresas podem planejar com mais facilidade a manutenção, pois elas são fornecidas com uma visão clara e em tempo real sobre a integridade das máquinas.

5. Nexiot

A Nexiot é uma empresa filial que veio da ETH Zürich, uma das principais universidades científicas da Suíça. Os sensores inteligentes Globehopper da empresa representam o ponto culminante de mais de 10 anos de pesquisa em sistemas complexos, algoritmos de big data e tecnologia incorporada de baixíssimo consumo de energia.

Outro exemplo da indústria de IoT são os sensores inteligentes projetados para monitorar a localização e outros comportamentos de ativos em todo o mundo. Atualmente, os sensores de ultrabaixa potência têm as maiores potenciais de aplicações nos setores de frete ferroviário, transporte de contêineres e segurança.

6. Hitachi

Em 2017, a japonesa Hitachi lançou uma nova entidade chamada Hitachi Vantara, combinando várias unidades empresariais, incluindo a Hitachi Data Systems, o Hitachi Insight Group e a companhia adquirida Pentaho.

O lançamento desencadeou o lançamento da 'Lumada 2.0', uma plataforma de IoT para transformar dados em ações inteligentes.

A plataforma Lumada foi criada para gerenciar o ciclo de vida de ativos de negócios da IoT. Ela inclui avatares de ativos, descritos como “gêmeos digitais”, análises de dados de máquinas e humanos, e ferramentas de design.

7. Huawei

A empresa chinesa de produtos de TI e telecomunicações Huawei criou uma plataforma de gerenciamento de conexões IoT que fornece um acesso agnóstico, apresentando um conexão completa entre pessoas e coisas. Também oferece a IoT de computação de ponta e a IoT de Banda Estreita (NB-IoT) para oferecer ampla cobertura, baixas taxas de dados, custos e consumo de energia em diferentes setores.

A plataforma NB-IoT da Huawei é baseada em Banda Estreita celular IoT, que usa largura de banda de cerca de 180 kHz e pode ser implantada diretamente em redes GSM, UMTS ou LTE.

Para aumentar sua presença na IoT, a Huawei fez uma parceria com a DHL para focar na inovação da tecnologia de IoT baseada em celulares para conectar um grande número de dispositivos em longas distâncias com consumo de energia reduzido.

8. SAP

O software de Planejamento de Recursos Empresariais (ERP) S/4 HANA in-memory da SAP permite que os clientes obtenham informações em tempo real a partir dos dados coletados dos sensores conectados. A plataforma também permite que terceiros desenvolvam aplicativos de IoT por meio de APIs abertas.

Além disso, a SAP lançou o conceito Leonardo em janeiro de 2017, que engloba IoT e outras tecnologias emergentes, oferecendo aos seus clientes um serviço que rastreia dados de sensores conectados para obter insights rapidamente.

9. GE

A gigante norte-americana General Electric (GE) criou uma organização paralela chamada General Electric Digital para se concentrar na manutenção preditiva e outros aspectos da IoT.

Enquanto isso, a oferta de plataforma como serviço (PaaS) da GE Digital, Predix, é uma plataforma de software que integra dados gerados por máquina com bancos de dados tradicionais e de nuvem.

A GE já possui produtos para gerenciamento de operações hospitalares, otimização de combustível para linhas aéreas e soluções Grid IQ para empresas de serviços públicos. Outros fornecedores industriais, como a Schneider Electric, também estão fazendo um grande impulso na IoT.

Além disso, a General Electric e a Accenture uniram forças para criar a Taleris, que diagnostica e prevê problemas de manutenção de aeronaves antes que eles aconteçam, aprimorando dados de desempenho para garantir que os veículos sejam adequados à sua finalidade e funcionem de maneira ideal.

10. Rolls Royce

Assim como a GE e a Accenture, a britânica Rolls Royce usa sensores IoT em seus motores a jato para monitorar o desempenho e descobrir problemas antes que eles se tornem um problema real.

Embora não seja estritamente uma empresa de IoT, a Rolls Royce usa o Azure IoT Suite e o Cortana Intelligence Suite, ambos da Microsoft, para diagnosticar esses problemas e fornecer informações para as companhias aéreas.

Mais especificamente, a Rolls Royce usa o Azure Stream Analytics e o Power BI, que permitem extrair dados de sensores de seus motores e conectá-los à informações do controle de tráfego aéreo, incluindo dados de rotas, clima e uso de combustível da própria aeronave, para obter uma imagem mais completa da saúde de seus motores.
Isso visa ajudar as companhias aéreas a se tornarem mais ágeis e eficientes, ajudando-as a tomar melhores decisões em torno de opções de aeronaves e opções de rotas.

11. Dell

A IoT agora é uma peça fundamental para a Dell, antes conhecida tradicionalmente por seus PCs acessíveis no mercado consumidor e seus servidores corporativos.

A Dell anunciou uma divisão especializada em IoT, a ser liderada pelo CTO da VMware, Ray O'Farrell, em outubro de 2017, com a intenção de oferecer aos clientes um conjunto completo de hardware, software, segurança e consultoria para colocar seus projetos da IoT em funcionamento.

Falando na época, o presidente e CEO da Dell Technologies, Michael Dell, explicou que, com o preço dos sensores conectados despencando, ele vê um modelo de 'núcleo distribuído' como central para a implementação bem-sucedida da IoT.

“A Dell Technologies está liderando o caminho para nossos clientes com uma nova arquitetura de computação distribuída que reúne a IoT e a inteligência artificial em um ecossistema interdependente, da margem ao núcleo para a nuvem”, disse.
Naturalmente, a Dell se posiciona como uma das poucas empresas que podem oferecer essa pilha completa para implantações de IoT, graças à sua herança em infraestrutura segura e recursos de computação locais, que remontam aos seus dias de PC.

12. ARM

A desenvolvedora de chips ARM fez um esforço conjunto nos últimos anos para entrar no espaço da IoT.

Os projetos de baixo alcance da empresa têm sido a base de itens de consumo como smartphones e decodificadores por anos, tornando-o bem posicionado para se ramificar no ecossistema da IoT com designs que podem ser usados em sensores conectados de baixa potência.

Vale notar que a ARM não fabrica processadores em si, mas sua expertise neste mercado foi suficiente para que o conglomerado japonês Softbank comprasse a empresa em 2016, para expandir seu próprio portfólio de IoT.

13. Bosch

A Bosch tem um negócio bem estabelecido na criação de sensores microeletromagnéticos – MEMS – e a empresa decidiu colocar a IoT no centro de sua estratégia em 2015, quando lançou sua Internet of Things Suite.

Agora você vai encontrar sensores Bosch usados em casa – termostatos, por exemplo – mas também em casos mais incomuns, como manter a melhor temperatura para cultivar espargos, ou monitorar dados de carros de corrida.

Em março de 2016, a Bosch lançou um serviço de nuvem para impulsionar seus planos de IoT e acompanhar concorrentes como a AWS.

Na conferência ConnectedWorld na época, o CEO da Bosch, Volkmar Denner, disse: "A partir de hoje, oferecemos todos os cartões ace para o mundo conectado a partir de uma única fonte. A Bosch IoT Cloud é a peça final do quebra-cabeça que completa nossa especialização em software. Somos agora um provedor completo de serviços para conectividade e internet das coisas."

14. Cisco

A Cisco fornece infraestrutura de IoT para uma ampla gama de indústrias, incluindo fábricas conectadas, serviços públicos e redes inteligentes, petróleo e gás, aviação, transporte coletivo, marítimo, ferroviário e rodoviário.

A empresa também oferece infraestrutura de rede de campo para o monitoramento e controle de distribuição de energia, gerenciamento e habilitação de aplicativos, redes incorporadas e produtos de segurança cibernética habilitados para IoT.

15. Ingenu

A Ingenu fornece uma combinação de serviços M2M (machine to machine) e IoT para diversas empresas. Um exemplo é a empresa britânica-holandesa de petróleo e gás Shell, que economizou mais de US$ 1 milhão através do seu projeto 'Digital Oilfield' na Nigéria.

A companhia de petróleo usou sensores para fornecer vigilância de tubulações e monitoramento da nascente para infraestrutura remota. A Shell utilizou os dados coletados para gerar insights em torno de manutenção e segurança.

16. Amazon Web Services (AWS)

A AWS tem uma variedade de plataformas, incluindo Amazon Kinesis, Amazon S3, Lambda, Amazon Machine Learning e Amazon DynamoDB para criar aplicativos IoT. A nuvem desempenha uma grande parte da internet das coisas, por isso a AWS, como maior provedora de cloud a nível global, ganha espaço neste mercado.

A AWS também permite que seus usuários criem seus próprios aplicativos IoT, podendo controlar remotamente os dados dos sensores.

17. Centrica

Em 2015, a British Gas, de propriedade da Centrica, adquiriu a AlertMe, empresa por trás de seu famoso controle de aquecimento inteligente Hive em um negócio de £ 44 milhões.

A oferta de IoT da British Gas significa que os clientes podem controlar seu aquecimento remotamente e integrar aplicativos de energia inteligente para que os proprietários de casas possam, por exemplo, mudar seu medidor para o ‘modo férias’ ou conectar muitos sistemas inteligentes e executá-los de uma plataforma.

Além disso, a Centrica fez uma parceria com a SAP para criar uma gama de serviços voltada para clientes corporativos, que fornecem informações de sensores habilitados para IoT para que eles possam gerenciar melhor os ativos industriais.

O serviço de estreia se concentrará na tecnologia de sensores sem fio da Panoramic Power, combinada com análises das unidades de negócio da Centrica’s Distributed Energy and Power.

18. AT&T

A operadora norte-americana AT&T está dando grandes passos para se posicionar como a rede da IoT. A companhia firmou diversas parcerias com outras empresas nesta lista, incluindo Cisco, GE, IBM e Intel, e está tentando ser de fato o provedor de rede para conectar todos esses dispositivos. Outras empresas de telecomunicações, como a Vodafone, a Telefonica e a Verizon, também estão procurando explorar esse mercado.

A AT&T está investindo em gerenciamento de frota, gerenciamento de energia, carros conectados e uma variedade de outras indústrias.

19. Fujitsu

A investida da Fujitsu Global em IoT abrange toda a gama da internet industrial, incluindo utilitários e energia inteligentes, manufatura inteligente, transporte e logística, e varejo. Também vende serviços de análise para que as empresas possam entender todos os dados que seus sensores estão gerando.

A empresa cobre todo o ecossistema e também fornece infraestrutura de nuvem e rede. A Fujitsu é parceira de outras empresas que também investem fortemente em IoT, incluindo Intel, Microsoft e Cisco.

20. Google

O Google agitou o mercado de IoT quando comprou a Nest por US$ 3,2 bilhões, empresa que vende termostatos e detectores de incêndio que são “inteligentes”, o que significa que eles aprendem padrões de uso de energia e interagem com seus proprietários.

A Nest foi uma das primeiras marcas de renome a fazer isso no espaço doméstico conectado.

O Google também fornece recursos para as empresas gerenciarem dados por meio do serviço do Google Cloud Platform.

21. HPE

Em 2015, a HPE adquiriu a fornecedora de redes Aruba Networks por US$ 3 bilhões em uma tentativa de explorar o mercado de internet das coisas, ampliando imediatamente o portfólio de hardware, como roteadores e switches. A empresa agora oferece pacotes da IoT por meio da Universal IoT Platform.

Em fevereiro de 2017, a HPE comprou a Niara – uma empresa de análise comportamental que espera complementar o portfólio de segurança de rede ClearPass, a qual foi adquirida com a compra da Aruba.

O gerente-geral da HPE Aruba, Keerti Melkote, disse na época: “Com mais de 20 bilhões de dispositivos de IoT esperados para serem conectados a redes até 2020, a segurança é a preocupação número um para nossos clientes”. Ele disse que Niara permitirá à HPE “proteger melhor os negócios dos nossos clientes’ e os dados da Internet das Coisas”.

22. IBM

A IBM possui uma variedade de produtos nessa área, incluindo uma plataforma de mensagens para dados M2M chamada MessageSight, junto com o MobileFirst, que fornece recursos móveis aos objetos, e BlueMix, uma plataforma de desenvolvimento para aplicativos que podem gerenciar coleta e análise de dados IoT.

A IBM não está sozinha no fornecimento de ofertas de IoT centradas em TI – empresas de serviços como Wipro e CGI também estão fazendo um grande esforço. Mas a IBM também tem a computação cognitiva de sua plataforma de inteligência artificial Watson como diferencial – e agora oferece uma plataforma IoT que faz uso dos recursos do Watson.

23. Intel

A Intel tem uma gama de opções de IoT, desde o QuarkSoC X1000, altamente eficiente em energia para cargas de trabalho de baixa capacidade, até o Xeons para processamento pesado.

Ainda, o Gateway da série DK300 da Intel permite que os usuários analisem, compartilhem e filtrem com segurança dados criptografados que passam entre os dispositivos.

IoT é um enorme foco para o fabricante de chips. A plataforma Intel IoT, por exemplo, é um modelo de referência escalável e interoperável que conecta dispositivos entre si e entrega esses dados à nuvem. Os produtos IoT da Intel podem ser encontrados em prédios, cidades inteligentes e carros conectados.

24. Microsoft

A Microsoft diz que quer tornar a internet das coisas aplicável às atividades diárias do negócio. Ela está fazendo isso por meio de vários produtos, incluindo sistemas operacionais Windows Embedded personalizados para coletar e analisar dados, bem como por meio de produtos em sua nuvem Azure, como o Intelligent Systems, uma oferta que transfere a pesada análise de dados para a nuvem.

Em maio de 2016, a Microsoft adquiriu a startup italiana de IoT Solair para “ajudar os clientes a aproveitar o poder da internet das coisas”. Solair promove projetos de IoT em todo os setores de manufatura, varejo, alimentos e bebidas, e transporte.

25. Oracle

O movimento de IoT é fundamentalmente sobre a criação de mais dados, e a Oracle diz que todos esses dados precisarão de um local para serem armazenados. A empresa tem um conjunto de serviços, incluindo uma plataforma para habilitar Java em dispositivos de sensores embutidos, uma plataforma middleware para criar aplicativos para capturar os dados e um bancos de dados para armazenar dados.

26. Qualcomm

A Qualcomm ajudou a criar o AllJoyn, uma estrutura de IoT de software livre para conectar dispositivos que agora são gerenciados pela Linux Foundation. Embora haja muitos esforços para permitir que dispositivos se conectem à Internet, a Qualcomm diz que ter um protocolo comum de código aberto, como AllJoyn, para unir esses dispositivos é importante. A Qualcomm tem foco em automotivo, wearables, saúde e educação.

27. Salesforce

A Salesforce diz que a IoT apresenta uma nova oportunidade para os profissionais de marketing obter insights mais profundos sobre seus prospects e clientes.

Os dispositivos conectados permitem que CMOs aprendam como seus produtos estão sendo avaliados e usados, em que estágio do processo os prospects estão e quais fatores influenciam o comportamento de compra. A companhia afirma que IoT não é apenas sobre máquinas conectadas, mas sim, sobre produtos conectados e marketing também.

28. Samsung

A sul-coreana Samsung fabrica seus próprios equipamentos de infraestrutura de IoT, como gateways IoT e tecnologias Wide Power Wide Area, que utilizam espectro não licenciado, mas também tem uma divisão IoT voltada para produtos à casa conectada.

O SmartThings Starter Kit, por exemplo, inclui plugues conectados e sensores de movimento que se conectam a um hub central, todos disponíveis para visualização por meio de um aplicativo em seu celular.