Home  >  Inovação

EDP Ventures realiza primeiro investimento no Brasil

Delfos, startup cearense do setor elétrico, fecha captação de investimento de R$ 1,5 milhão

Da Redação

21/02/2019 às 14h39

investimento
Foto: Shutterstock

A EDP Ventures Brasil, veículo de investimentos de capital de risco (Corporate Venture Capital) do Grupo EDP, anunciou a realização do seu primeiro aporte financeiro numa startup do mercado elétrico brasileiro. A escolhida é a cearense Delfos, que vai utilizar o aporte de R$ 1,5 milhão para finalizar o desenvolvimento da inteligência artificial aplicada à manutenção preditiva de usinas de geração de energia.

Além da EDP Ventures Brasil, que atuou como Investidor Líder, sendo responsável pela maior fatia do capital, o aporte tem participação do BMG Uptech e da Bossa Nova Investimentos.

Cassio Vidigal, Head da empresa de Venture Capital da EDP, explica que a escolha foi feita por acreditar que esta solução brasileira tem um grande potencial de crescimento no mercado de energias renováveis local e global. "Queremos investir para alavancar o desenvolvimento de tecnologias criadas no Brasil e que tenham qualidade para ganhar o mundo", destacou.

A Delfos iniciou sua relação com a EDP em 2016, ao vencer o concurso de startups EDP Open Innovation e receber uma premiação de 50 mil euros para o desenvolvimento de um sistema de previsão de falhas em turbinas eólicas. Na ocasião, o administrador Guilherme Studart e o engenheiro Samuel Lima criaram um modelo de cruzamento de dados capaz de antecipar o desgaste dos componentes e recomendar a manutenção preventiva dos equipamentos.

Durante esse período, a startup passou por todos os processos de mentoria da EDP e conquistou grandes clientes no País, encerrando o ano de 2018 com projetos e contratos envolvendo 3,1 GW (gigawatts) de ativos, mais do que sete vezes o total monitorado em 2017 (0,4 GW).

Guilherme Studart, CEO da Delfos, comenta que o apoio da EDP impulsionou a forma de atuação da Delfos no mercado. "Nossa solução tem como objetivo possibilitar uma Governança Operacional eficiente, reduzindo incertezas operacionais e aumentando a produtividade dos ativos de energias renováveis. Queremos expandir nosso negócio utilizando a inteligência artificial aplicada a todos os segmentos do setor de Energia", disse.