Home  >  Negócios

Empresa de inteligência fiscal Systax cresce 23% em 2018

Companhia destaca avanços tecnológicos, além de novas alianças e parcerias exponenciais para o cliente final

Da Redação

15/02/2019 às 14h19

Foto: Shutterstock

Legenda:

A empresa de inteligência fiscal Systax fechou 2018 com 23% de crescimento em receita. A organização conseguiu ampliar sua base de regras de tributação, ultrapassando 18 milhões de regras.

A companhia surfa a onda do mercado tributário. Segundo estudo da OCDE, Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, o Brasil será o país que mais tributa empresas em 2019.

Ao combinar as regras de tributação, a Systax conseguiu monitorar mais de 1 bilhão de itens de seus clientes. Outro ponto de crescimento foi no número de parcerias e alianças, que se expandiu significativamente com empresas como Omie, SESCON-SP e VERTEX, que se tornaram grandes parceiras em 2018.

Além disso, a Systax também conquistou integração com 40 ERPs, sendo que, dentro deste número, algumas organizações buscaram substituir o motor de cálculo de seus ERPs pelo motor de cálculo da Systax.

Para 2019, o planejamento da empresa é crescer 22,6%.

Estrutura física

Fábio Rodrigues, Diretor da Systax, conta que um cuidado que a empresa teve também foi relacionado ao espaço físico. “Estamos em um novo ambiente, que proporciona muito mais conforto ao nosso time e clientes. Agora, a Systax se encontra em um espaço 50% maior, em um empreendimento novo, a duas quadras do metrô Trianon”, disse.

Segundo Jerson Prochnow, CEO da Systax, o destaque da evolução pode ser direcionado a duas conquistas de 2018: as plataformas para o SPED e “engine fiscal”. “Temos atendido diversas situações de correção de SPEDs para clientes e parceiros, com essa flexível plataforma, implementada com tecnologia ‘serverless’. Também evoluímos uma plataforma para uso das regras fiscais em processos de cálculo ou auditoria, principalmente com foco no passado, para servirmos de ferramenta em parcerias com Consultorias e Auditorias tradicionais”, apontou o executivo.