Home  >  Negócios

Carajás moderniza infraestrutura tecnológica com Seal Sistemas

Rede de lojas de construção renova infraestrutura de redes, realiza integração com ERP e já pensa em uso de software para análise de dados

Da Redação

04/02/2019 às 10h31

Foto: Shutterstock

A Carajás, rede alagoana de lojas de materiais de construção, adotou soluções da Seal Sistemas para modernizar sua infraestrutura de redes, além de implementar tecnologias em unidades de negócio.

O grande foco da Carajás é se tornar referência no setor até 2020 e, para isso, está apostando em tecnologias.

A parceria entre as empresas começou no começo desse ano com a inauguração da ‘loja modelo’ em São Gonçalo do Amarante, no Rio Grande do Norte, em que a Seal cuidou de todo o processo de infraestrutura de rede.

Lauro Gonçalves, gerente de planejamento e suprimentos da Carajás, explica que essa loja faz parte de um modelo de padronização em que a Carajás está buscando uma excelência nesse mundo de rede. "Depois de inaugurar essa loja em Natal e a outra em Fortaleza, que abriu em janeiro de 2019, queremos modernizar as unidades que temos nos outros estados para que todas sigam essa referência de tecnologia", adiantou Gonçalves.

Ruy Castro, diretor da Unidade de Negócios, destaca que foi utilizada toda a solução de infraestrutura, tanto cabeada quanto wireless. "Sem dúvida, a tecnologia é um grande aliado para que consigamos atingir nossa missão. E para isso, contamos muito com a expertise da Seal como fornecedor de solução wireless e sua equipe comprometida."

Para Wagner Bernardes, CEO da Seal Sistemas, a parceria entre as duas empresas faz parte de um amadurecimento do mercado para adoção de ambientes WLAN. “Definitivamente, o uso de tecnologia como ferramenta de competitividade nos negócios é um caminho sem volta. As pessoas precisam estar conectadas o tempo todo”, destacou Bernardes. O executivo ressalta também que a comunicação em tempo real tem “potencializado a produtividade nas empresas e proporcionado uma experiência de compras diferenciada para o cliente final”.

Comunicação em lojas

Castro explica também que, de forma simples, o projeto passou cabos por toda a loja para criar os pontos de rede: check-outs, caixas, estações de consulta de preço, escritório onde são emitidos pedidos e notas fiscais. "Os dados recolhidos nesses locais vão para os switches que trafegam as informações para serem tratadas, analisadas e gerenciadas e graças a uma infraestrutura ágil e confiável proporciona condições para tomada de decisões estratégicas dos gerentes e diretores", disse.

Além dessa rede cabeada, agrega-se também as informações colhidas pelos equipamentos que usam o wireless. “Enquanto a parte de cabeamento e switches é o cérebro das informações, a parte do wireless se comunica com os coletores que conferem o estoque, acompanham a movimentação da mercadoria, inventário e verificação de preço, por exemplo. E tudo isso se junta de forma que os gerentes tenham uma visão completa do que se passa em cada unidade”, complementou.

Integração com ERP

Outra necessidade que a Carajás apresentava era conseguir integrar a solução de infraestrutura de rede com o sistema de ERP usado por todas as lojas da rede. “Tínhamos um sistema híbrido, próprio da Carajás, e hoje estamos trabalhando com o Protheus, da Totvs. O grande desafio era a adequação do nosso ERP com os coletores, que também são fornecidos pela Seal, e outras tecnologias”, afirmou Gonçalves.

Próximos passos

Depois de cuidar da implementação de toda essa infraestrutura de rede de ponta a ponta, a Seal Sistemas enxerga outras possibilidades para aumentar ainda mais o patamar tecnológico da Carajás e ajuda-los a se tornar a referência do mercado de home center e materiais de construção do nordeste brasileiro. O próximo passo é evoluir ainda mais na parte de software. Segundo Ruy, para a próxima etapa a ideia é usar software para analisar o tráfego de dados, que permitem que eles possam saber mais sobre os comportamentos dos clientes que compartilham a rede e da própria equipe de vendas. "Descobrir quais são as áreas mais quentes de vendas, como a força de vendas dele está distribuída dentro da loja. Com a infraestrutura já montada, essa segunda parte é muito mais simples", finalizou.