Home  >  Segurança

2019 será o despertar da inteligência artificial adversária, alerta Avast

Empresa destaca cenário de ameaças cibernéticas que vão tirar o sono de empresas neste ano

Da Redação

07/01/2019 às 13h31

Foto: Shutterstock

Relatório divulgado pela fornecedora de soluções de cibersegurança Avast aponta as principais ameaças cibernéticas para 2019. A empresa alerta para o despertar da inteligência artificial adversária, bem como ataques a dispositivos IoT mais sofisticados e um aumento de apps falsos.

O relatório destaca as maiores tendências de segurança coletadas pela equipe do Laboratório de Ameaças da Avast e que serão enfrentadas pelos consumidores ao longo de 2019.

Os especialistas da empresa verificam cerca de um milhão de novos arquivos por dia e impedem dois bilhões de ataques todos os meses. Este volume reúne informações valiosas sobre as ameaças mais comuns, bem como proporciona a capacidade de mapear tendências para prever futuros ataques.

Confira algumas das principais tendências de segurança que evoluirão ou continuarão impactando os consumidores em 2019:

O despertar da AI adversária

O relatório prevê o surgimento de uma classe de ataques conhecidos como "DeepAttacks", que usam conteúdo gerado por inteligência artificial para escapar dos controles de segurança da AI. Em 2018, a equipe do Laboratório de Ameaças da Avast observou muitos exemplos nos quais os pesquisadores usavam algoritmos de inteligência artificial adversária para enganar humanos. Os exemplos incluem um falso vídeo do ex-presidente dos EUA Barack Obama criado pelo Buzzfeed, em que o presidente é visto transmitindo frases falsas de maneira convincente.

A empresa viu também casos de inteligência artificial adversária que deliberadamente confundiram os mais inteligentes algoritmos de detecção de objetos. Por exemplo, enganando um algoritmo para fazê-lo pensar que um sinal de Pare indicava um limite de velocidade de 70 km/h.

Para 2019, a previsão é de um aumento na implantação de DeepAttacks em tentativas de evitar a detecção humana e as defesas inteligentes.

Ameaças de IoT se tornarão mais sofisticadas

A tendência para os dispositivos inteligentes será tão abordada nos próximos anos, que será difícil comprar eletrodomésticos ou aparelhos eletrônicos residenciais sem que estejam conectados à internet.

O estudo da Avast mostrou que a segurança é muitas vezes uma reflexão tardia na indústria de dispositivos inteligentes. Geralmente, esses dispositivos de marcas conhecidas vêm com opções de segurança incorporadas, pois alguns fabricantes economizam nessa proteção para manter custos baixos aos consumidores ou porque não são especialistas no assunto. E isso é um erro, pois dispositivos podem ser tão “seguros” quanto um link contaminado. A história tende a se repetir, então, podemos esperar que o malware de IoT evolua e se torne mais sofisticado e perigoso, semelhante ao desenvolvimento de malware para PCs e dispositivos móveis.

Avanço dos ataques a roteadores

Os roteadores provaram ser um alvo simples e fértil para uma crescente onda de ataques. Detectamos um aumento de malware para roteadores em 2018, mas também mudanças nas características desses ataques.

Em 2019, a Avast prevê um aumento de sequestros de roteadores com o intuito de usá-los para roubar credenciais bancárias. Um exemplo é quando o roteador infectado injeta uma imagem HTML maliciosa em páginas específicas da web, quando exibida em dispositivos móveis. Esse novo elemento pode pedir para que os usuários de dispositivos móveis instalem um novo aplicativo bancário malicioso, que irá capturar as mensagens de autenticação. Os roteadores continuarão sendo usados como alvos de um ataque, não apenas para executar scripts maliciosos ou espionar usuários, mas também como um link intermediário para ataques em cadeia.

Evolução das ameaças em dispositivos móveis

Em 2019, táticas bem conhecidas como publicidade, phishing e aplicativos falsos continuarão dominando o cenário de ameaças em dispositivos móveis. Em 2018, a Avast rastreou inúmeros aplicativos falsos por meio da nossa plataforma apklab.io.

Alguns até foram encontrados na Google Play Store. Os aplicativos falsos são zumbis na segurança de dispositivos móveis, tornando-se tão onipresentes que mal chegam às manchetes. Novos aplicativos falsos também surgem para substituir os que já foram sinalizados para remoção. Portanto, eles continuarão persistindo como uma tendência em 2019, intensificados por versões falsas de apps populares que circulam na Google Play Store.

Em 2018, o retorno dos trojans bancários também foi anunciado na área de dispositivos móveis, crescendo 150% ano a ano, saltando de 3% para mais de 7% em todas as detecções detectadas no mundo. Embora talvez não seja uma grande mudança em termos de volume geral, a Avast acredita que os cibercriminosos estão descobrindo que os serviços bancários no universo digital são o melhor meio de ganhar dinheiro quando comparado à mineração de criptomoedas.

Tags