Home  >  Inovação

Ambient Computing. Do que estamos falando afinal?

Uma boa definição para Ambient Computing é "a computação que acontece em segundo plano sem a participação ativa do usuário".

Mike Elgan, Computerworld/EUA

26/12/2018 às 15h53

ambiente_nuvem.jpg
Foto: Shutterstock

Está todo mundo falando sobre Ambient Computing. E há muito sobre o que falar. Mas com toda essa conversa vem confusão.  Então, vamos esclarecer o conceito.

Em primeiro lugar, a Ambient Computing não é uma tecnologia.

Quando se fala, digamos, de “computação na internet” ou “computação sem fio”, você está falando de um conjunto muito específico de tecnologias, protocolos, padrões e dispositivos. Ambient Computing não é assim. Não é específico. Mas aponta para uma mudança profunda na forma como os negócios operam, como fazemos as coisas e, em última análise, mudará a cultura humana.

Como entender a Ambient Computing

No alvorecer da revolução da computação pessoal, as pessoas “operavam” um computador. Eles se sentaram e fizeram computação - freqüentemente programando. Mais tarde, com a explosão dos aplicativos, os operadores tornaram-se “usuários”. As pessoas usavam computadores para outros fins que não programar ou operar um computador - como balancear seus talões de cheques ou jogar videogames.

Todos os usos da computação até agora exigiram deixar de fazer algo no mundo real para operar ou usar um computador. A Ambient Computing muda tudo isso, porque envolve o uso de um computador sem “usar” um computador de forma consciente, deliberada ou explícita.

Os dispositivos ambientais mais rudimentares que eu posso imaginar são aqueles que permitem usar o controle de movimento para acender uma luz ou abrir uma porta. Eles estão conosco há décadas, mas, como aparelhos básicos e comuns, nos ajudam a entender o futuro da revolução prometida pela Ambient Computing.

Os sistemas de controle de movimento tendem a ser ambientes, mas geralmente não são dispositivos de computação. Um sistema de movimento usa um sensor especializado para perceber a atividade humana. Quando você anda até a porta da mercearia ou entra em uma sala, o sensor percebe sua presença e abre a porta ou liga a luz ou o que quer que seja. Desta forma, você está "usando" a porta ou a luz sem usá-la.

Alto-falantes inteligentes como o Echo estão entre os primeiros dispositivos de Ambient Computing (ou Computação Ambiente) que a maioria das pessoas encontrou.

Considere a diferença sutil entre usar a Siri em um smartphone - a única maneira de usar assistentes virtuais há alguns anos - com o uso de um alto-falante inteligente como o Amazon Echo. Usar a Siri em um smartphone é “usar” um smartphone. Já, usar o Amazon Echo, é "conversar na sala".

Outra é a tendência do termostato inteligente. Os termostatos mais recentes prestam atenção em como os usuários definem a temperatura - assim como a hora do dia e se alguém está na casa. E eles usam IA para ajustar a temperatura de acordo. Eventualmente, você pode parar de "usar" o termostato completamente. Parece que a IA está controlando a temperatura, mas na verdade é o usuário que está - sem usar conscientemente o dispositivo.

Agora, imagine juntar o conceito básico de portas e luzes controladas por movimento, alto-falantes inteligentes e termostatos inteligentes - ou seja, sensores avançados, Inteligência Artificial e tecnologias como reconhecimento de imagem, reconhecimento de voz e Machine Learning.

Qual é a definição de 'Ambient Computing'?

As amplas descrições de plataformas de computação se referiam desde há muito tempo ao hardware quando você o está usando - desktop, laptop, portátil, wearable.

Stefanini e Usiminas em plataforma cognitiva

Ambient significa que está "no ar" - a localização ou definição do dispositivo é o menos importante. De fato, com a Ambient Computing o usuário não precisa saber nada sobre os dispositivos para usá-los.

A Ambient Computing é realmente a combinação e evolução das interfaces gestuais de voz e no ar, reconhecimento de voz, Internet das Coisas, Cloud Computing, Wearable Computing, The Quantified Self, Realidade Aumentada, Internet das Coisas e, acima de tudo, Inteligência Artificial e Machine Learning.

Sim, isso soa como uma lista de todas as tecnologias. Mas o que define a Ambient Computing é seu efeito nos usuários.

O que a torna meio ambiente é que você não muda explicitamente sua atividade ou mentalidade para atuar como um “usuário”. Ela está ali apenas, guiando-o e cutucando-o enquanto realiza as coisas na vida.

Dispositivos de "computação ambiente (ou ambiental)" operam de maneira invisível em segundo plano. Eles nos identificam, monitoram e ouvem e respondem às nossas necessidades e hábitos percebidos.

Portanto, uma boa definição de trabalho para Ambient Computing é "a computação que acontece em segundo plano sem a participação ativa do usuário".

A Ambient Computing não é um grupo separado de tecnologias, mas sim tecnologias que permitem usar computadores e a Internet sem usá-las ativamente.

Em 20 anos, a idéia de pegar um dispositivo ou sentar em um computador para usá-lo ativamente parecerá estranhamente antiquada. Toda a computação será ambiente - ao redor de nós o tempo todo, sussurrando em nossos ouvidos, aumentando o mundo real através de nossos óculos graduados e pára-brisas, percebendo nossas emoções e desejos e agindo em segundo plano para nos ajudar a alcançar nossos objetivos de negócios e viver uma vida melhor. [Se eu não me engano, as pesquisa chamavam isso de Computação Ubíqua, ou pervasiva.]

De vez em quando, todos pedalaremos juntos em uma jornada muito interessante, de computadores que usamos ativamente em direção aos recursos de computação cada vez mais atuando em segundo plano para nós.

Nós também seremos inundados e sobrecarregados pelo hype da “Ambient Computing ”, pois, eu prevejo, ele se tornará um dos buzzwords de marketing mais utilizados e abusados ​​de todos os tempos. Nos próximos dois anos, a “Ambient Computing ” será aplicada em todo tipo de produto de TI, serviço de negócios e solução integrada. Na maioria das vezes, a palavra de ordem não vai dizer muito a você.

A Ambient Computing é um grande negócio (vai mudar para sempre nossa relação com máquinas inteligentes) e também não é grande coisa (é apenas parte da evolução contínua das interfaces de usuário que existe desde o começo da computação - as máquinas trabalham mais para entender e nos ajudar e trabalhamos menos para tirar proveito deles).

Empresas focadas no futuro no Vale do Silício já estão abraçando “Ambient” como palavra de ordem. Então, fique animado com a Ambient Computing . Mas não acredite no hype.