Home  >  Negócios

10 tendências para o e-commerce em 2019

Linx aponta funcionalidades que estarão em alta e que deverão impactar experiência do consumidor no varejo on-line no próximo ano

Da Redação

21/12/2018 às 13h39

e-commerce
Foto: Shutterstock

 

 

Em um mundo cada vez mais digital, o e-commerce tem registrado ascensão no Brasil.

Para Mauricio Correa, diretor da Linx Commerce - unidade de negócio da Linx focada em e-commerce, o próximo ano deve representar uma revolução na maneira com a qual marcas e consumidores se relacionam no ambiente on-line.

O executivo reuniu dez tendências que devem despontar em 2019 para ajudar lojistas a venderem mais e, consequentemente, potencializar a experiência do internauta. São elas:

1 - Entregas no mesmo dia

Isso tem se tornado um grande diferencial competitivo para os e-commerces. Apesar de agradar os clientes, é uma ação que exige um novo pensamento logístico, como a descentralização dos Centros de Distribuição (CDs). Isso significa passar a utilizar diversos estoques menores (que podem ser as lojas físicas de uma rede), localizados em regiões estratégicas. Assim, é possível manter os produtos mais próximos do cliente final, reduzindo o tempo de transporte.

vaga de emprego

2 - Novas modalidades de entrega

A partir do ano que vem, uma nova leva de meios logísticos deve ganhar força no mercado, como os carros autônomos, que tornam as entregas mais velozes, a qualquer momento do dia, ainda que a tecnologia esteja em seu momento inicial. Por outro lado, empresas como a Amazon já apostam em drones para fazer esse trabalho nos Estados Unidos. No Brasil, a ANAC ainda estuda uma proposta para regulamentar a atividade.

No entanto, meios que já estão se estabelecendo por aqui são os aplicativos de entregas, que suprem a crescente necessidade de consumidores que precisam de atendimento 24 horas dia. Essa novidade é interessante para os restaurantes, uma vez que há motoristas rodando dia e noite, o que amplia a possibilidade de entrega dos estabelecimentos.

3 - Criptomoedas

Esta tendência se mostra cada vez mais disseminada, visto que o valor de mercado do bitcoin valorizou significativamente nos últimos anos. Existem uma série de benefícios tanto para quem compra quanto para quem vende produtos online utilizando criptomoedas, como o custo da transação, velocidade de recebimento, ampliação das fronteiras graças à venda internacional e segurança.

4 - Assinatura de diversos produtos

Esse modelo de negócio já é bem comum no que se refere a jornais e revistas. Mas existe um interesse crescente dos clientes em receber, mensalmente, outros produtos, como cosméticos, alimentação e higiene. Isso se deve às vendas a preços mais baixos e à comodidade de não precisar repetir o mesmo processo de compra com frequência.

5 - Lojas pop-up para e-commerce

As chamadas pop-up stores são lojas virtuais que ficam por um período determinado em um local físico, focando as vendas em produtos relacionados a uma data específica, como o Natal. Entre as vantagens dessa modalidade, estão o baixo custo com aluguel, maior atenção ao público e, claro, divulgação da marca.

6 - Omnicanalidade

O varejo brasileiro ainda engatinha quando o assunto é omnichannel. Por sua vez, os consumidores desejam encontrar cada vez menos barreiras entre o on e o offline, e quem apostar nesta tendência estará à frente da concorrência. Um estudo realizado pela Deloitte mostrou que os clientes que transitam entre os canais gastam 82% a mais do que aqueles que utilizam tradicionalmente apenas um ponto de contato. Por isso, a integração entre os ambientes físicos e virtuais deve se popularizar a cada ano que passa.

7 - Automatização do atendimento

O atendimento é parte fundamental da experiência do consumidor com a sua marca. Quando o cliente consegue tirar dúvidas sobre produtos ou detalhes da compra de forma fácil e rápida, as chances de torná-lo fiel aumentam. Ao mesmo tempo, esse cliente está cada vez mais conectado e exigente, necessitando ser atendido 24 horas por dia, nos sete dias da semana.

Segundo uma pesquisa realizada pela Microsoft, 93% dos brasileiros já utilizaram ferramentas de autoatendimento, 98% esperam que as empresas ofereçam soluções de autoatendimento online e 93% já encontraram a informação que procuravam pela internet. Isso indica que o atendimento por meio de canais como FAQs ou chatbots deve crescer.

8 - M-commerce

A expansão do mercado de dispositivos móveis está impulsionando as vendas por este meio. Considerando que o pagamento via smartphones e tablets ficará mais popular à medida que os consumidores se sentirem confortáveis, essa é uma tendência que não deve parar de crescer. Alguns exemplos de aplicativos já inseridos neste contexto são iFood, Peixe Urbano, Groupon, Netshoes, Hotel Urbano e Magazine Luiza.

9 - Aumento do uso de vídeos

Uma pesquisa feita pela Wyzowl aponta que 81% das empresas usaram vídeos para fins de marketing em 2018, comparado a 63% em 2017. O estudo indica ainda que um usuário assiste, em média, a uma hora e meia de vídeo por dia, enquanto 81% dos consumidores compraram um produto depois de assistir a um deles.

10 - Crescimento dos marketplaces

O estudo "Panorama dos Marketplaces no Brasil", realizado pela Precifica, mostra que o número de lojistas que atuam em shoppings virtuais, como Walmart, Americanas e Extra, passou de 7,4 mil em setembro de 2017 para 14,2 mil em setembro de 2018, um crescimento de 90,7%. Considerando que 61% desses vendedores operam em marketplaces há menos de um ano, os marketplaces ainda têm muito espaço para crescer.