Home  >  Negócios

Como aumentar as vendas de final de ano com apoio do analytics?

Essa é uma boa hora de se criar/adaptar novos modelos de negócios de acordo com as novas tendências que surgem

Celso Oliveira*

19/12/2018 às 16h02

Foto: Shutterstock

Não é novidade que o Natal é a data mais importante em termos de resultados para o varejo no Brasil. Esse ano, segundo a Confederação Nacional do Comércio (CNC), as vendas devem crescer 2,3%, taxa que está abaixo do crescimento do ano passado. Já a ALSHOP (Associação Brasileira de Lojistas e Shopping) estima um aumento de 4% a 6% em 2018. As vendas online também devem crescer. De acordo com estimativa da Tray, unidade de e-commerce da Locaweb, calcula-se um aumento de 42% no faturamento neste Natal.

É claro que as empresas do varejo sempre estão buscando formas de melhorar seus resultados, mas é nessa época que elas devem estar mais do que nunca muito atentas, procurando formas inovadoras de obter uma visão 360º de seus clientes e de aumentar a margem, investindo em soluções criativas que proporcionem o crescimento dos negócios. E a tecnologia, obviamente, representa uma grande mola propulsora. De acordo com o Instituto McKinsey Global, empresas orientadas a dados têm 23 vezes mais chances de conquistar novos clientes, seis vezes mais de reter e 19 vezes mais chances de serem lucrativas no que diz respeito a resultados. Sendo assim, realidade aumentada, inteligência artificial, analytics e IOT são grandes apostas e a conexão dessas inovações é capaz de trazer oportunidades interessantes para os negócios.

Já pensou em disponibilizar para o seu cliente um tablet ou um smartphone, ou até mesmo criar uma aplicação que ele possa baixar e que possa ser usada no momento da decisão de compra? Um consumidor chega em uma loja de roupas, por exemplo, escolhe uma peça e, usando a câmera de seu celular, escaneia esse produto ou um QR Code. Cruza essa imagem com dados históricos do analytics e, automaticamente, surgem imagens de outros produtos que combinam muito bem com a primeira escolha e que podem ajudar a compor o look. E mesmo que aquele produto não esteja disponível na hora, naquela loja, ele pode escolher e depois receber em casa. Para o cliente, esse cenário é a combinação perfeita entre fazer a melhor escolha e, ao mesmo tempo, ter uma experiência de consumo muito mais high tech e agradável. Já para a empresa, estamos falando de uma oportunidade maravilhosa de up e cross selling, de aumento de ticket e de margem, uma vez que podem ser sugeridos produtos estratégicos e que proporcionam maiores margens de lucros.

Os varejistas inovadores estão aproveitando os dados que já possuem, como o feedback de clientes, informações pessoais, pesquisas de produtos e histórico de compras, juntamente com insights extraídos de mídias sociais, dispositivos digitais, voz e sensores de IoT, por exemplo, para criar melhores campanhas de marketing; ter experiências inovadoras juntando a experiência online e off-line; analisar e melhorar as experiências de compras on-line; tornar o atendimento ainda mais personalizado; trazer mais conveniência ao cliente e até mesmo aprimorar a contratação de mão de obra.

Detalhar e cruzar os dados para obter insights, visando saber quem são os clientes, o que eles gostam, o que eles querem, quando querem e o que eles gostariam que fosse oferecido em tempo real e no futuro, é disto que estamos falando. Outro ponto importante é ter a capacidade de analisar o inventário de produtos, especialmente para deixar claro para o cliente o que está ou não disponível. Desta forma, dados em tempo real de fornecedores, prateleiras inteligentes em lojas, inventário por loja ou região e por caminhões, ajudariam a manter os varejistas e clientes informados sobre a disponibilidade do produto - um sistema vantajoso para todos e que mantém os clientes com o espírito das festas de final de ano, ou seja, felizes e satisfeitos.

E, por fim, essa também é uma boa hora de se criar/adaptar novos modelos de negócios de acordo com as novas tendências que surgem como, por exemplo, economia compartilhada, pagamento por assinatura, aquisições sob demanda ou como serviço. De acordo com a Accenture, estas iniciativas poderiam trazer benefícios da ordem US$ 2,95 trilhões tanto para a indústria varejista como para os consumidores.

e-commerce

Por isso é fato que, seja no Natal ou em qualquer outra época do ano, os varejistas que escolhem fazer uso do analytics para ajudar a aumentar as vendas, conquistam uma vantagem competitiva que faz toda a diferença. E daqui para frente temas como analytics integrado, hyperintelligence e mobilidade estarão cada vez mais evidência como forte aliado deste segmento.

*Celso Oliveira é Country Manager da MicroStrategy Brasil