Home  >  Inovação

IoT: o que especialistas de redes precisam saber sobre internet das coisas

Esteja preparado para a complexidade de gerenciamento, padrões imaturos, desafios de segurança de IoT e edge computing

Dan Tynan | Network World (EUA)

20/11/2018 às 14h10

Foto: Shutterstock

Arquitetar para a internet das coisas (IoT) cria um novo desafio para os profissionais de rede.

O Gartner prevê que haverá mais de 20 bilhões de dispositivos IoT no mundo até 2020. Cerca de 40% deles serão implantados na empresa - monitorando a qualidade do ar em fábricas, melhorando a eficiência energética em escritórios, rastreando ativos em toda a cadeia de suprimentos, detectando equipamentos fracassos e muito mais.

Esses dispositivos também transportarão petabytes de dados em milhares de redes de TI, apresentando novos desafios em gerenciamento, controle de dados e conformidade.

IoT é onde a tecnologia da informação atende à tecnologia de operações. Aqui, os sistemas de dados que mantêm os negócios funcionando convergem com as máquinas que fabricam muitos dos produtos que essas empresas vendem. E o mundo da TI nunca será o mesmo.

"O impacto futuro da IoT nos data centers será impressionante", diz Mike Schulz, arquiteto-chefe sênior da consultoria de TI SPR. "O grande volume de dispositivos que transmitirão informações para um data center continuará ampliando os datacenters de segurança, conectividade e problemas operacionais enfrentados atualmente."

Em outras palavras, colmatar a divisão de TI/OT não será fácil. Aqui estão quatro coisas essenciais que os profissionais de rede precisarão saber antes de começar.

2019 tendências

1. Complexidade, falta de padrões e desafios de interoperabilidade da IoT

Quando grandes organizações adotam a IoT, o número de engenheiros de rede que os dispositivos devem gerenciar pode aumentar em várias ordens de magnitude, assim como a quantidade de dados que passam pela rede.

"Em vez de 100 dispositivos conectados em um único local, você terá 100 mil deles, cada um exigindo uma pequena quantidade de dados, mas exigindo milhares de conexões de rede abertas e com perdas", diz Zachary Crockett, CTO da Particle, provedor de plataforma de IoT.

Esses dispositivos, por sua vez, poderiam estar aproveitando qualquer um dos milhares de protocolos de conectividade atualmente em funcionamento, a maioria deles proprietários, diz Jason Shepherd, CTO de IoT e edge computing da Dell Technologies.

"Há muita fragmentação por aí agora", diz Shepherd. "Algumas pessoas gostam de pensar que haverá um protocolo padrão IoT mágico para dominar o mundo. Isso nunca vai acontecer. E quanto mais você se aproxima do dispositivo, mais sistemas operacionais, hardware e linguagens de programação você vê."

Os dispositivos de IoT também contam com uma variedade de protocolos sem fio, geralmente não encontrados em data centers, de ZigBee e LoRA a padrões recém-eclodidos, como as categorias LTE M1 e NB1. A combinação de tecnologia proprietária e protocolos de comunicação não totalmente preparados levará a alguns erros estranhos, diz Crockett.

"Um desenvolvedor de software que foi puxado para um projeto de IoT para escrever o firmware embutido pode dizer 'vou enviar esse tipo de mensagem e dar suporte a esse tipo de resposta'", diz ele. "Mas haverá 50 tipos diferentes de respostas que eles não pensaram que farão o dispositivo errar e reiniciar. As pessoas do lado da rede verão erros que não viram antes, e verão um erro grande diversidade deles. E muitos podem confundir esses erros com um ataque, quando na verdade é apenas um dispositivo que se comporta mal."

Projetos de código aberto, como o EdgeX Foundry, da Linux Foundation, que permitem que dispositivos e aplicativos IoT diferentes interajam por meio de APIs padrão, independentemente do SO ou hardware, devem ajudar a resolver alguns problemas de interoperabilidade, observa Shepherd. Dispositivos e aplicativos que aproveitam o framework EdgeX estão apenas começando a aparecer - o projeto planeja lançar um programa de certificação para componentes compatíveis com o EdgeX até abril de 2019.

2. Prepare-se para uma migração para edge computing

Quando se trata de IoT, a latência é o inimigo. Com milhares de dispositivos espalhados por escritórios, fábricas, hospitais e locais remotos, mais e mais recursos de dados e computação residirão nas bordas da rede.

"Eu sempre digo: 'Eu não me importo com a rapidez com que sua rede é, você não desdobra o airbag de seu carro da nuvem'", diz Shepherd. "Da mesma forma, se eu sou uma pessoa de operações que precisa de controle em tempo real sobre uma linha de manufatura, quero mover a computação para controle de processo e qualidade o mais próximo possível da linha, então não estou contando com uma área ampla rede para responder."

Até 2022, o Gartner estima que 75% de todos os dados da empresa serão gerados e processados ​​na borda da rede. E isso gera uma série de novos problemas de governança de dados.

Determinar quais dados ficam no limite e o que viaja pela rede pode ser complicado, diz Kimberly Clavin, vice-presidente de engenharia da Pillar Technology, empresa que projeta soluções IoT para os setores automotivo, de saúde e de varejo.

Os administradores de rede podem negociar com os desenvolvedores de aplicativos de sua organização, profissionais de operações e equipes de análise sobre o que vive onde, diz ela.

3. Compreenda a importância das práticas de segurança da IoT

Quando um hospital adiciona dispensadores automatizados de insulina à sua rede, ou uma usina nuclear usa sensores embutidos para medir os níveis de radiação, a segurança pode ser uma questão de vida ou morte.

No entanto, os dispositivos de IoT geralmente são os sistemas mais vulneráveis ​​em sua rede, diz Aditya Gupta, CEO da Attify, companhia que oferece testes de penetração e treinamento em segurança de IoT.

"Eles são mais propensos a ataques porque são frequentemente construídos sem a segurança em mente", diz ele. "Quando realizamos testes de penetração para organizações, geralmente encontramos 5 ou 6 dispositivos dentro de uma rede que podemos atacar e usar para migrar para outros ativos corporativos."

Gupta aconselha os profissionais de rede a segregar os dispositivos de IoT para impedir que os ataques se espalhem, realizar análises de tráfego e de rádio para ver os tipos de dados que estão transmitindo e implementar atualizações de firmware automatizadas. Ele também recomenda que se instruam sobre os tipos e técnicas de ataques.

Varejo IoT

4. Espere sujar as mãos

Profissionais de rede que precisam se familiarizar com a IoT têm várias outras opções. Universidades como Stanford e MIT oferecem bootcamps e cursos de desenvolvimento profissional nas complexidades da IoT. Já fornecedores como Bosch, Cisco e Microsoft oferecem treinamento de IoT específico para seus produtos.

Procure por conferências e encontros patrocinados por organizações específicas do setor, sugere Srivatsan Rajagopal, CTO da ioTium, uma startup de IoT industrial.

Mas a melhor maneira de aprender pode ser mergulhar e sujar as mãos, diz Clavin.

"Eu criaria um pequeno piloto que você poderia segmentar a partir da rede principal e começar a partir daí", diz. "Mas eu também não ficaria com medo de perceber que você precisa de ajuda de pessoas que se especializam nesse tipo de coisa."

A coisa mais importante é a disposição de abandonar as expectativas sobre como os sistemas de TI normalmente operam e manter a mente aberta, diz Crockett.

"Não há balas de prata, tanto quanto qualquer treinamento que você pode obter hoje", diz ele. "As pessoas que serão bem-sucedidas terão uma mentalidade aberta e curiosa sobre aprender coisas que são fundamentalmente novas e muito diferentes do que fizeram nas últimas décadas. Mesmo as pessoas mais bem informadas não entenderão isso da primeira vez construir algo."