Home  >  Negócios

De olho em Cloud Edge, Cisco leva capacidades de segurança a SD-WAN

Companhia destaca importância de delimitar a conectividade por software. Integração promete simplicidade para aqueles que hesitam em migrar para nuvem

Carla Matsu

13/11/2018 às 11h00

Foto: Divulgação/Cisco

Como parte de sua estratégia em segurança, a Cisco anunciou nessa segunda-feira (12), durante o Cisco Partner Summit, em Las Vegas (EUA), que está unificando suas tecnologias de segurança e de SD-WAN (Software-Defined Wide Area Network) em busca de ajudar empresas a acelerarem sua migração para a nuvem,

Durante coletiva de imprensa, executivos da Cisco ressaltaram a transformação radical pela qual as redes de longa distância (WAN) estão passando, tendo em vista que as corporações alocam suas aplicações em diferentes nuvens - pública, privada e SaaS (Software as a Service). Ao mesmo tempo, empresas lidam com a flexibilização do ambiente de trabalho. Se hoje, funcionários podem trabalhar em qualquer lugar e não apenas nos escritórios, medidas de segurança também precisam ser pensadas para acompanhá-los. A Internet se tornou o ponto de intersecção onde empresas precisam conectar tanto seus funcionários quanto a aplicações críticas para o negócio, resultando em uma nova computação de borda na nuvem, ou Cloud Edge.

"Esta disrupção vem acontecendo devido a ascensão da nuvem. Essa conectividade é crítica aos negócios, cria desafios e exige mais eficiência da WAN. O comportamento do usuário também fica mais imprevisível", ressalta Scott Harrell, vice-presidente sênior e gerente geral de Enterprise Networking da Cisco. "Em vez de ter a conectividade no data center, agora ela está distribuída, é uma mudança massiva. Toda conectividade precisa agora ser definida por software", complementa.

A integração das habilidades de segurança ao SD-WAN também reforça as mudanças de estratégias que a Cisco tem direcionado nos últimos dois anos, um esforço competitivo para protagonizar os projetos de transformação digital de seus clientes. Afinal, trata-se de um mercado que tende a ser generoso para todos os atores envolvidos. Se as próprias redes de longa distância estão passando por grande disrupções, isso também gera um horizonte de oportunidades para os mais atentos.

Durante sua apresentação, Nirav Sheth, Vice-Presidente de Partner Solutions, Achitectures & Engineering da Cisco, lembra que dentro de dois anos, 95% dos clientes irão recorrer ao SD-WAN. A estimativa é que até o ano de 2022, as oportunidades em SD-Wan, tanto para infraestrutura quanto serviços gerem um potencial de US$ 10 bilhões. Como exemplo, Sheth diz que a solução de cibersegurança da Cisco, a Talos, encontra três vezes mais ameaças do que o Google encontra resultados para buscas. "Uma vez que muitos clientes estão olhando para isso, a oportunidade é muito grande", reforça Sheth acenando para os parceiros da companhia.

Simplicidade e acesso às APIs

Scott Harrell defende que até agora, muitas das soluções SD-Wan forçaram os departamentos de TI a escolherem entre a experiência da aplicação ou a segurança. Ao evoluir o portfólio SD-WAN, a Cisco afirma estar endereçando as novas realidades da Cloud Edge, esticando a camada de segurança para os pontos críticos inerentes à conectividade. A premissa é que o Cisco SD-Wan possa ajudar a TI a entregar melhor experiência para as aplicações e fazer com que usuários sejam mais produtivos ao entregar mais simplicidade. Os recursos do SD-WAN da Cisco agora são protegidos pela Talos e cobrem desde o firewall empresarial com reconhecimento de aplicativos e prevenção de invasões até filtragem de URL e podem ser administrados em um painel de controle único.

Outras inovações da nova estratégia anunciada durante o Cisco Partner Summit está a abertura das APIs para o Cisco SD-WAN. Com isso, prestadores de serviço e parceiros poderão criar novos serviços exclusivos. Pensando atender a nova demanda de desenvolvedores e engenheiros de rede, a comunidade Cisco DevNet acrescentou novos laboratórios de aprendizagem e treinamentos de SD-WAN.

Ao também integrar a Cisco SD-WAN com o Cisco Umbrella, a Cisco agora consegue barrar o acesso a destinos maliciosos antes mesmo de uma conexão ser estabelecida. Outro destaque diz respeito a parceria entre Cisco e Microsoft para melhorar a experiência dos usuários com o aplicativo Microsoft Office 365. Agora, a Cisco SD-WAN passa a monitorar em tempo real todos os acessos disponíveis à nuvem do Microsoft Office 365. Utilizando as URLs do Microsoft Office, a Cisco também consegue determinar a nuvem mais próxima, resultando em um desempenho até 40% mais rápido para os usuários.

*A jornalista viajou a Las Vegas a convite da Cisco