Home  >  Plataformas

Qual a escolha certa para hiperconvergência: hardware ou software?

Plataformas hiperconvergentes incluem um hipervisor para computação virtualizada, armazenamento definido por software e rede virtualizada

John Edwards | Network World (EUA)

12/11/2018 às 13h18

Foto: Shutterstock

Tecnologia de nicho, basicamente atraente para organizações com necessidades específicas, como a simplificação de operações em filiais, a infraestrutura hiperconvergente (HCI - hyperconverged infrastructure) está rapidamente encontrando uma ampla base de clientes.

A HCI é uma estrutura de TI que combina armazenamento, computação e rede em um único sistema. As plataformas hiperconvergentes incluem um hipervisor para computação virtualizada, armazenamento definido por software e rede virtualizada.

As empresas que planejam uma adoção de IHC podem escolher entre duas abordagens principais: hardware ou software. O hardware de HCI geralmente vem na forma de um appliance integrado, um pacote de hardware/software criado e entregue por um único fornecedor. Os fornecedores de dispositivos incluem Dell EMC, Nutanix e HPE/SimpliVity. Uma oferta somente de software permite que os clientes implantem a IHC em uma base de tecnologia própria. Os fornecedores de software da HCI incluem Maxta e VMware (vSAN).

"Há vantagens em usar um appliance hiperconvergente em comparação com a abordagem de software e, ao contrário, há benefícios em termos de custo quando você adota o modelo somente de software", afirma Naveen Chhabra, analista sênior da Forrester. "Dependendo do tamanho da implantação, da sua exposição total a um determinado fornecedor de servidores, do tamanho da organização, você pode optar por uma abordagem ou outra."

Dispositivos HCI plug-and-play

A HCI baseada em appliance chega pronta para uso, oferecendo níveis de desempenho garantidos pelo fornecedor e exigindo apenas quantidades mínimas de trabalho de instalação e configuração.

"Os usuários não precisam se preocupar com o hardware subjacente, já que o fornecedor cuida de tudo", explica Darren Wright, presidente da D2 Technology, uma empresa de consultoria de TI em New Castle, Delaware. "Como são sistemas fechados, os fornecedores têm melhor controle do hardware, o que facilita a solução de problemas e a otimização do desempenho", acrescenta.

A abordagem plug-and-play do modelo de dispositivo atraiu David Aldarondo, gerente de serviços de rede da Post University em Waterbury, no Estado de Connecticut (EUA), para a tecnologia - uma plataforma hiperconvergente HPE SimpliVity. "Não há problemas de firmware. Tudo é projetado para funcionar com todo o resto", observa ele.

Rich Gagnon, CIO da cidade de Amarillo, no Estado do Texas (EUA), diz que a decisão de adquirir um ICH baseado em aparelhos ou software deve estar enraizada nas necessidades do mundo real. "Você precisa começar com o caso de negócios e, em seguida, aplicar a tecnologia que melhor se adapta a esse modelo, e não o contrário."

A atração de tecnologias integradas de operação e gerenciamento ajudou a influenciar a decisão de Gagnon de usar um dispositivo Dell EMC. "Isso nos permite ser muito mais eficientes como uma organização de TI e nos concentrar em apoiar nossos departamentos, nossos negócios", explica ele. "Estamos impulsionando eficiências em suas operações porque eu tenho eficiência no meu."

O suporte localizado baseado em fornecedores foi outro forte fator que levou à adoção. "Somos uma cidade de tamanho médio, situada no Texas", afirma Gagnon. "Não somos Seattle, nem Chicago, onde eu posso pegar cinco ou seis especialistas em armazenamento, por exemplo."

Software de hiperconvergência: estilo DIY

As soluções baseadas em appliance facilitam para os clientes especificar, solicitar e implantar um HCI. "No entanto, há algumas desvantagens em qualquer abordagem baseada em appliance, independentemente do setor, pois são essencialmente 'black boxes'", observa Larry Chapman, gerente de infraestrutura de TI da Trusource Labs, uma empresa de serviços de suporte técnico que oferece suporte à internet das coisas (IoT). "É por isso que adotamos uma abordagem de infraestrutura hiperconvergente baseada em software", acrescenta ele.

Chapman diz que aprecia a flexibilidade do software Maxta. "Eu posso escolher qualquer fornecedor de servidor que eu quiser, e até mesmo mudar de fornecedor de servidores a qualquer momento", explica ele. "Não há necessidade de manter o mesmo fornecedor de servidores ou mesmo a mesma geração de chipsets da Intel."

Chapman também gosta do fato de ser dono da licença de software. "Podemos transferir essa licença para um novo servidor", diz ele. Isso é importante para a Chapman, pois, como muitas organizações, a Trusource atualiza seus servidores a cada três ou quatro anos.
"Se tivéssemos comprado um aparelho, teríamos que recomprar a licença do software toda vez que atualizássemos o hardware, já que a licença do software está vinculada ao aparelho", observa ele. "Se eu precisar de mais capacidade, posso literalmente retirar uma unidade - com o sistema em funcionamento - e colocar uma unidade maior."

"Os HCIs baseados em software podem ser configurados para corresponder exatamente às necessidades exatas de CPU, memória e armazenamento do cliente, sem superprovisionamento", observa Wright. A abordagem permite que os adotantes aumentem ou diminuam facilmente, o que ajuda a torná-los fáceis de gerenciar e menos dispendiosos de operar.

Além disso, como os HCIs baseados em software são independentes de hardware, os adotantes estão livres dos custos mais altos que geralmente resultam do bloqueio do fornecedor. Para PMEs, os HCIs baseados em software geralmente são a única opção que se ajusta às restrições orçamentárias e também a alta disponibilidade. requisitos, relatórios da Wright.

"Embora a configuração seja mais trabalhosa do que com HCIs baseados em hardware, uma vez instalados, os sistemas são muito fáceis de gerenciar e oferecem desempenho excepcional", explica ele.

A HCI baseada em software também pode dar aos adotantes a oportunidade de fechar um acordo com um fornecedor de hardware com o qual já podem ter um forte relacionamento, diz Michael Colonno, arquiteto sênior de soluções da CDI, uma empresa que projeta e gerencia soluções de TI híbridas, incluindo TI tradicional, pública, privada e nuvens híbridas. "Baseado em software [HCI] cria o melhor retorno para seu investimento - você é realmente um mestre de seu próprio domínio", diz ele.

No entanto, o luxo de ter várias opções de hardware vem com um risco adicional. Listas de compatibilidade de hardware (HCL) devem ser seguidas de perto, adverte Colonno. "Os fornecedores fazem o melhor para mantê-los atualizados, além de fornecer informações sobre as versões de firmware, mas às vezes isso fica aquém e há problemas", observa ele.

Mariusz Nowak, diretor de serviços de infraestrutura da Universidade de Oakland, localizado nas cidades de Auburn Hills e Rochester Hills, no Estado de Michigan (EUA), decidiu usar uma HCI baseada em software executando o VMware vSAN em uma plataforma Dell porque ele não queria deixar de lado a capacidade de tomar suas próprias decisões de hardware. "Era uma questão de flexibilidade e liberdade de escolha", diz ele. "Quando você está comprando uma solução pré-embalada, você tem que ficar com o que as empresas lhe oferecem."

Com o VMware vSAN, o Nowak estava livre para usar qualquer abordagem de hardware que oferecesse mais benefícios. "Se você quiser combiná-lo com hardware de diferentes empresas, você dissocia a camada de hardware da camada de software e tem total liberdade para escolher e aplicar o que funciona para você, seja qual for a plataforma que estiver executando", explica ele.

Nowak também aprecia o fato de que a mudança para um software HCI exigia apenas uma curva de aprendizado superficial. "Quando você escolhe algo com o qual você já lidou, é muito mais fácil fazer a transição do que ter um novo animal em seu zoológico", observa ele. "Já conhecíamos a VMware e não precisávamos aprender software de terceiros ou um appliance de terceiros".

Due diligence para infraestrutura hiperconvergente

Não é de surpreender, dada a importância crítica da tecnologia, selecionar o tipo certo de HCI requer uma quantidade considerável de planejamento e preparação.

"Eu começaria com a devida diligência e pesquisa sobre necessidades específicas, cargas de trabalho e aplicativos", diz Nowak. "Pode haver um ambiente diferente para uma carga de trabalho e aplicativos gerais; pode haver requisitos diferentes para bancos de dados", observa ele.

"Faça uma prova de conceito para garantir que a HCI trabalhe para você e que o fornecedor atenda aos seus requisitos de desempenho", aconselha Chapman. "Em seguida, peça ao fornecedor para fornecer uma estimativa de custo para os primeiros cinco anos de uso, assumindo o crescimento do armazenamento e a necessidade de uma atualização de hardware ou duas durante esse período."

Foi aí que Chapman viu uma enorme diferença de preços entre as tecnologias HCI baseadas em appliance e HCI baseadas em software. "Descobrimos que as soluções de HCI baseadas em appliance eram mais de 50% mais caras que as soluções de HCI baseadas em software ao longo de um período de cinco anos", relata ele.

Nowak recomenda que os compradores também coletem dados de engenharia relevantes e estabeleçam referências específicas de requisitos. "Mais tarde, eles devem comparar a lista de recursos de cada solução e determinar qual seria o melhor investimento com base na necessidade e na acessibilidade", ele sugere.

Gagnon, no entanto, adverte os potenciais adotantes de infra-estrutura hiperconvergente baseada em hardware e software a não se atolarem com pequenas diferenças nas especificações técnicas e nos custos, e se concentrarem no resultado final. "Comecei como engenheiro e adorei minha hélice", ele brinca. "Eu poderia passar o dia todo olhando para a tecnologia, mas você também tem que se afastar disso e colocá-lo no contexto para tomar uma boa decisão."