Home  >  Plataformas

Como evitar a obsolescência programada

Fabricantes reduzem a vida útil de um produto para que o consumidor compre outro em um intervalo de tempo cada vez menor

Da Redação

01/11/2018 às 9h41

Foto: Shutterstock

As constantes inovações tecnológicas são um convite para que pessoas troquem cada vez mais de dispositivos. Não é difícil encontrar consumidores que trocam de smartphone, tablet ou computador uma vez por ano ou até em menos tempo. Mas, por outro lado, sensação é de que, cada vez mais, esses produtos são feitos para durar menos tempo. São mesmo?

Algumas vezes, os artigos eletrônicos tornam-se obsoletos em razão do avanço tecnológico, substituição do sistema operacional, mudanças na rede de operação do celular, uma tomada que mudou de padrão ou outro fator que torne impossível a sua utilização. Entretanto, a necessidade de substituir o aparelho pode ser imposta pelos fabricantes, por meio de uma estratégia cada vez mais comum: a chamada obsolescência programada.

É o que alerta a Proteste, que explica que a estratégia da obsolescência programada consiste em colocar no mercado produtos que funcionarão durante um período de tempo pré-determinado pelo fabricante (e não informado ao consumidor), ao fim do qual será imposta a substituição de peças, a aquisição de programas de atualização ou até a substituição integral do produto por uma versão mais moderna, sem que a anterior esteja de fato inutilizável.

A prática, claro, gera prejuízos, como o excesso de despesas ao consumidor e de resíduos ao meio ambiente, já que produtos eletrônicos em condições de funcionamento são descartados quando ainda poderiam ser utilizados por muito tempo.

A Proteste listou algumas dicas para não cair no golpe da obsolescência programada

Substituir peças e acessórios somente quando necessário

Muitos eletrônicos, como as impressoras, notificam o consumidor em determinados intervalos de tempo para que efetue a substituição de peças. Contudo, muitas vezes o aparelho continua a trabalhar perfeitamente e as peças em questão não estão, de fato, obsoletas. Para além de seguir as instruções do fabricante, é importante que o consumidor avalie a real necessidade de substituir uma peça ou acessório e procure alternativas mais em conta (como refis de cartucho de impressora em vez de cartuchos novos, por exemplo).

Atualização do sistema operacional

Baixar a última atualização do Android ou iOS é importante para corrigir falhas de segurança e garantir a compatibilidade com novos aplicativos lançados nas plataformas. Desta forma, evita-se comprar novos aparelhos por razões de desatualização.

Verificar a real necessidade de um novo aparelho

Anúncios publicitários podem ser tentadores e levam o consumidor a acreditar que será mais feliz ou melhorará a sua aparência social se adquirir um produto mais novo do que o que já tem, ainda que este não esteja obsoleto. Este efeito psicológico se sobrepõe à durabilidade dos produtos e molda o comportamento do consumidor. Antes de qualquer compra, é importante que o consumidor pondere se o novo produto que pretende adquirir realmente oferece funcionalidades inovadoras e se vale a pena substituir o atual aparelho. Muitas vezes a nova câmera, a tela de melhor resolução ou uma funcionalidade nova não alteram a qualidade e o funcionamento global do aparelho e não justificam o valor que o consumidor irá pagar.

Procurar produtos mais duráveis

Algumas marcas disponíveis no mercado são reconhecidas justamente por não imporem a substituição do produto após um determinado período de tempo, e mesmo que uma versão mais do produto seja lançada, a anterior continua a funcionar. Procurar por esses produtos traz vantagens ao bolso do consumidor, além de influenciar as empresas para que parem com a obsolescência programada.

Cuidados de manutenção

Para que o produto dure o máximo tempo possível, é imprescindível cuidar bem: realizar atualizações de sistema e de segurança, higienizar periodicamente, reparar danos, usar e armazenar de forma adequada. Assim, quando o consumidor decidir pela sua substituição, ainda será possível vender ou doar o produto a quem possa aproveitá-lo por mais algum tempo.