Home  >  Negócios

Exchange brasileira de criptomoedas Omnitrade inicia operações no exterior

Em seu oitavo mês de operação, companhia já investiu mais de R$ 500 mil reais na construção de sua plataforma

Da Redação

25/10/2018 às 17h25

criptomoedas
Foto: Shutterstock

A Omnitrade, exchange brasileira de criptomoedas com tecnologia 100% proprietária, iniciou seu processo de internacionalização. Agora, clientes da corretora poderão transacionar criptomoedas em todo o mundo em sua plataforma com padrões internacionais de infraestrutura e escalabilidade.

Fábio Akita, CEO da Omnitrade, explica que o crescimento e maturidade tecnológica da plataforma permite este avanço no mercado. Para isso, buscou conhecimento e benchmarking em países onde operações com criptomoedas já estão em níveis mais avançados, como Coreia do Sul, Estados Unidos e Malta - este último, buscando liderar o processo de adoção das criptomoedas e blockchain por meio de leis e incentivos locais que já atraíram grandes empresas do setor.

Akita ressalta que a companhia não terceirizou o desenvolvimento. “Internalizamos todo o processo para obter mais segurança, velocidade e dinamismo, além de sofrermos uma rígida auditoria de sistemas. Temos hoje a certeza de possibilitar aos nossos clientes um ambiente confiável para realizar operações internacionais”, disse.

Com a ajuda da Codeminer 42, que encabeça o hub de empresas, a Omnitrade tem mais facilidade para adaptações em sua plataforma e, assim, ter mais independência para tanto para possíveis correções, quanto dar outro Norte a qualquer projeto.

Rodrigo Abilheira, CFO da companhia, comenta a estratégia é oferecer cada vez mais uma variedade maior de moedas, e a partir dessa expansão internacional, também ampliar o Programa de Rewards e o número de transações cripto-cripto, ou seja, negociação utilizando somente criptomoedas, onde saques e depósitos também ficam mais rápidos, já que não dependem de instituições financeiras para validar.

“Temos orgulho de ser a primeira exchange brasileira a abrir as portas para o mundo. Abrimos o caminho com diferenciais em transações cripto-cripto e estamos aderindo ao maior número de altcoins possíveis, e em curto prazo já estaremos operando com Ripple, além de Bitcoin, Litecoin, Bitcoin Cash, Bitcoin Gold, Decred, Dash e Ether”, afirmou Abilheira.