Home  >  Plataformas

Oracle apresenta segunda geração de nuvem

Larry Ellison, CTO da companhia, lança nova infraestrutura de cloud, com foco em segurança e sem deixar de lado as comparações com a rival AWS

Guilherme Borini

23/10/2018 às 9h48

Larry Ellison - Oracle
Foto: Divulgação/Oracle

A Oracle deu nesta segunda-feira (22/10) o pontapé inicial do OpenWorld 2018, principal conferência anual da companhia, realizada durante esta semana em San Francisco (EUA). Os cerca de 60 mil participantes - em sua maioria clientes e parceiros - sabem: a abertura de fato do evento ocorre quando Larry Ellison, cofundador e atualmente CTO da empresa, sobe ao palco principal. Quando o bilionário inicia sua apresentação, duas coisas já são esperadas: um anúncio de maior impacto e os tradicionais ataques à Amazon Web Services (AWS), principal player de nuvem a nível gloval, mercado que a Oracle está de olho e não esconde quem é o alvo predileto.

O fato é que a Oracle demorou um pouco para entrar no mercado de nuvem - até por isso perdeu um pouco de espaço na linha de largada, vendo concorrentes como AWS e Microsoft despontarem -, mas agora está apostando todas suas fichas na nuvem e tem aproveitado sua enorme base de clientes - são cerca de 460 mil em todo o mundo, uma grande força da fabricante norte-americana e, consequentemente, enorme fôlego para ganhar espaço também na nuvem.

No ano passado, a grande novidade anunciada anunciada por Elisson, que surpreendeu grande parte do mercado, foi o Oracle Autonomous Database Cloud, banco de dados autônomo capaz de detectar - e remediar - ameaças automaticamente, trazendo o machine learning para a operação e administração de banco de dados.

Neste ano, a novidade é um pouco menos bombástica, mas, segundo Ellison, também terá enormes impactos para a Oracle e, consequentemente, para os clientes. A bola da vez é a segunda geração da nuvem da companhia, a Oracle Cloud Infrastructure (OCI) - agora versão 2 -, que teve toda a arquitetura redefinida para garantir dois principais itens: "barreiras impenetráveis" e "robôs autônomos" - duas vertentes classificadas pelo executivo como defesa cibernética "Star Wars". “Estou falando de uma arquitetura de hardware completamente nova para cloud”, afirmou, durante apresentação.

"O objetivo de design do Gen 2 Cloud da Oracle é uma plataforma (IaaS) segura para executar tudo. É fácil dizer, muito difícil de fazer, construir uma nuvem segura. Foi necessária uma re-arquitetura fundamental da nossa nuvem."

O principal foco, segundo Ellison, é garantir a segurança de dados, enorme desafio para organizações diante das crescentes ameaças cibernéticas. As barreiras protegem a nuvem contra intrusos, e os robôs, por sua vez, são essencialmente automação de detecção e correção de ameaças, apostando em machine learning e inteligência artificial - algo já introduzido no banco de dados autônomo, que já é baseado nessa nova infraestrutura. "Os robôs autônomos encontram essas ameaças e as eliminam automaticamente, sem intervenção humana. São nossos robôs contra os deles (hackers)“, disse Ellison.

Máquinas independentes

Em linha com a segurança de dados, Ellison bateu fortemente na tecla de prover máquinas independentes como diferencial da infraestrutura de cloud da Oracle - um claro ataque a "outras nuvens", no caso, claramente a AWS.

Ele disse que, na Oracle, a infraestrutura de cloud é preparada para que o cliente possa ter liberdade e mudar de nuvem quando desejar, ao contrário da AWS, que prepara modelo de negócio para “prender” o cliente.

Ainda, Ellison afirmou que a nova infraestrutura da Oracle não cria barreiras, com a garantia de uma nova rede de computadores dedicados e independentes para basicamente cercar o perímetro de nuvem.

A nuvem da Amazon, segundo Ellison, executa o código de controle de nuvem nas mesmas máquinas que hospedam os códigos dos clientes, o que, para ele, torna a arquitetura significativamente menos segura. “Nunca vamos colocar nosso controle de cloud na mesma máquina de clientes. Isso é uma vulnerabilidade para o sistema de controle de cloud”, alertou.

“Criamos um sistema separado, com máquinas separadas e que ninguém pode ter acesso (exceto o próprio cliente). Essa é a barreira impenetrável.”

Custos e performance

Para apresentar vantagens de custos e de performance, a estratégia foi também as tradicionais comparações com a rival AWS. Segundo cálculos da Oracle, apresentados por Ellison, a nova infraestrutra de cloud da Oracle é até 45% mais rápida do que a da concorrente em termos de capacidade computacional. Em termos de custos, chega a ser cerca de três vezes menor.

“O (modelo de ) preço da Amazon é simples: você move os dados e é isso. Nós queremos que você possa mover e sair.”

Nesse momento, a segunda geração da OCI está disponível para clientes de nuvem pública. No meio do ano que vem (verão no hemisfério norte), será lançada a opção de uso da nova plataforma na cloud privada. “Vamos construir no seu data center, só para você, idêntico ao que temos na nossa cloud pública”, afirmou, direcionando a mensagem aos clientes. “Com bare metal, controle de cloud, robôs autônomos e tudo mais. Para você”, adicionou.

Até o final de 2019, todos os serviços serão disponibilizados na segunda geração de cloud, para ser de fato o que a Oracle deseja: uma poderosa plataforma para suportar toda a suíte de aplicações.

Força total

O fato é que a Oracle está com força total na nuvem. Só não da para saber ao certo o quão eficaz tem sido a estratégia, por conta das recentes mudanças no relatório de resultados de cloud. Antes, a companhia costumava relatar dois segmentos: Software como serviço (SaaS); e uma combinação de plataforma como serviço (PaaS) e infraestrutura como serviço (IaaS) como outro segmento. Agora está relatando apenas uma categoria: serviços em nuvem e suporte a licenças.

Para o primeiro trimestre fiscal de 2019, encerrado no dia 31 de agosto, a fabricante informou que o segmento de serviços de nuvem e licenciamento cresceu apenas 3% ano-a-ano, ante 10% no último trimestre fiscal de 2018. A receita total cresceu 1%, para US$ 9,2 bilhões, abaixo das expectativas.

*O jornalista viajou a San Francisco (EUA) a convite da Oracle