Home  >  Negócios

Atento inaugura quarta central de relacionamento no Chile

Unidade é focada no desenvolvimento de soluções de experiência do cliente nos setores bancário e de serviços financeiros

Da Redação

22/10/2018 às 10h48

Foto: Shutterstock

A Atento, provedora de serviços de gestão de clientes e terceirização de processos, inaugurou sua quarta central de relacionamento no Chile, sendo a terceira na capital Santiago. A operação, segundo a empresa, é focada no atendimento dos setores bancário e de serviços financeiros.

Alejandro Reynal, CEO da Atento, comenta que, com o mercado altamente competitivo e digital em que as companhias exercem suas atividades, a Atento oferece uma experiência diferenciada e adaptada ao consumidor digital, o que acaba gerando vantagem competitiva.

A companhia afirma ter participação acima de 25% no mercado de BPO chileno e o novo espaço, que conta com mais de 350 estações de atendimento operacional e capacidade de ampliar para 500 em curto prazo, será equipado com plataforma de atendimento omnichannel, combinando canais tradicionais, digitais e soluções de automação.

No espaço, trabalham mais de 300 agentes especializados no desenvolvimento de soluções para atendimento ao cliente e televendas.

“Estamos muito felizes com a abertura desta nova central, que reflete o crescimento da nossa companhia no Chile e a aposta que fazemos todos os dias em oferecer aos nossos clientes soluções que aumentam, de fato, a satisfação dos consumidores e a eficiência dos seus processos”, destaca Juan Carlos Urzúa, diretor-geral da Atento no Chile.

Atualmente, a Atento conta com 3 mil estações de trabalho em quatro centros de relacionamento com cliente e 5 mil empregados no Chile. Além dos serviços tradicionais de gestão de clientes como vendas, atendimento ao cliente e back office, a Atento tem uma ampla gama de soluções, que fazem parte de uma plataforma ominichannel, além de ferramentas de análises de dados. Nossos principais clientes são empresas de telecomunicações, bancos e outros prestadores de serviços financeiros, comércio e consumo.