Home  >  Negócios

Presidente da Anatel pede atenção do poder público com futuro das telcos

Juarez Quadros alerta operadoras de telecomunicações para futuro, cada vez mais ameaçado pelas OTTs

Guilherme Borini

16/10/2018 às 11h07

Foto:

O mundo se aproxima da era do 5G, com redes móveis cerca de 100 vezes mais rápidas do que o oferecido pelo atual 4G. O certo é que operadoras de telecomunicações vão operar a conectividade de quinta geração móvel, mas quem trará a inteligência? Serão as operadoras ou as OTTs (Over-The-Top), modelo de distribuição digital de conteúdo via internet - como a Netflix?

A questão foi levantada nesta terça-feira (16/10) por Juarez Quadros, presidente da Anatel, durante participação no Futurecom, evento focado em tecnologia e telecomunicações realizado nesta semana em São Paulo.

Quadros demonstrou clara preocupação com o futuro das telcos e alertou para o cenário em que operadoras estão sendo extremamente pressionadas pelas OTTs, que ganham cada dia mais adeptos. O cenário está pressionando as empresas de telecomunicações a um momento crucial: o que serão no futuro? O que precisam fazer para sobrevier à era digital?

"Mudanças no modelo de negócios podem significar que telcos possam ser fornecedoras de conteúdo para internet", comentou Quadros, que acredita que o desenvolvimento de conteúdos digitais possa ser o caminho para operadoras aumentarem rentabilidade.

O que deve ser feito?

Fora a necessidade de mudanças no modelo de negócios das telcos, Quadros foi claro durante seu discurso: o setor de telecomunicações como um todo precisa de um apoio maior dos poderes Executivo e Legislativo.

smartphone

Ele citou projetos de lei que estão em andamento, os quais considera necessários e extremamente importantes para o futuro do setor. O primeiro deles é a revisão da Lei Geral de Telecomunicações (LGT), que permitiria destravar investimentos, mudar o foco do setor, bem como garantir eficiência. Ainda, Quadros lembrou da necessidade da revisão da lei do Fundo de Universalização das Telecomunicações (Fust), para um redirecionamento de recursos, renovação do modelo e equidade.

"Cabe ao Poder Executivo promover junto ao Legislativo o encaminhamento público sobre a revisão da LGT para remover amarras que travam investimentos e adiam foco nos serviços."

Ainda, segundo o presidente da Anatel, o Fust acumula mais de R$ 20 milhões sem uso desde 2000. "As propostas para alteração do FUST se encontram nos poderes Executivo e Legislativo", ressaltou.

"Faltam políticas públicas setoriais para os dias que virão. Os poderes precisam prestar atenção para as mudanças para o futuro das telecomunicações no Brasil", disparou Quadros.

Recado aos candidatos

Como não poderia ser diferente, o assunto Eleições Presidenciais também esteve presente no discurso de Quadros. Às vésperas do segundo turno, que ocorrem no próximo dia 28, o presidente da Anatel deu o recado aos candidatos que disputam a Presidência da República:

antena 5G

"Julgo importante alertar aos dois candidatos quanto à necessidade de que o Estado acompanha esses avanços tecnológicos", disse. "As políticas públicas precisam de pareamento em relação aos avanços tecnológicos", completou.