Home  >  Segurança

Nova rede zumbi ataca dispositivos IoT

Batizado de Torii, ataque usa técnicas para atacar uma ampla gama de dispositivos inteligentes, roubar informações confidenciais e executar comandos

Da Redação

08/10/2018 às 17h59

Foto: Shutterstock

Uma nova rede zumbi está ameaçando dispositivos de internet das coisas (IoT). Um grupo de pesquisadores da empresa de cibersegurança Avast analisou uma nova e sofisticada rede zumbi, chamada Torii, que usa técnicas mais avançadas e tem como alvo uma ampla gama de dispositivos IoT.

Ao longo deste ano, cresceram as variantes de redes zumbis Mirai e Qbot, após o vazamento do código-fonte da Mirai na rede.

Os pesquisadores Jakub Kroustek, Vladislav Iliushin, Anna Shirokova, Jan Neduchal e Martin Hron analisaram pela primeira vez o novo ataque, por meio dos dispositivos inteligentes sequestrados.

Eles explicam que, ao contrário de outras redes zumbis de dispositivos IoT, a Torii procura se esconder e manter-se viva depois de infectar os dispositivos. Ela (ainda) não faz ataques DDoS comuns nas redes zumbis, nem ataca todos os dispositivos conectados à internet e nem mesmo minera criptomoedas. Em vez disso, a Torii rouba informações confidenciais dos dispositivos infectados e, devido a sua arquitetura modular, é capaz de buscar e executar outros comandos avançados. Tudo isso escondido por trás de várias camadas criptografadas.

Riscos

Segundo a Avast, a Torii pode infectar uma ampla gama de dispositivos e arquiteturas, incluindo MIPS, ARM, x86, x64, Motorola 68k, PowerPC, SuperH e outros. Definitivamente, é o ataque que atinge o maior conjunto de equipamentos diferentes já visto pelos pesquisadores da Avast. De acordo com o grupo, a operação está em andamento desde dezembro do ano passado ou antes, surgindo no tuíte de @VessOnSecurity. Segundo este pesquisador, os ataques chegavam através da rede Tor e, por isso, foi nomeada rede zumbi Torii.

Como o ataque acontece?

Primeiramente, o ataque mira as credenciais fracas (usuário e senha) dos dispositivos IoT. Quando o código detecta a arquitetura do dispositivo, ele usa vários comandos para baixar e executar com sucesso os comandos criptografados. Então, para se manter viva e ativa na rede, a Torii “blinda” a próxima fase por seis métodos, sempre por criptografia.

internet das coisas

A seguir, um código robô executa os comandos do servidor CnC e conta com várias técnicas para se esconder de possíveis programas de segurança de rede. Por exemplo, durante 60 segundos, hiberna o robô e usa nome de processos aleatórios para evitar a sua detecção imediata por listas negras. Cada versão do malware tenta entrar em contato com o servidor CnC, por meio da porta TCP 443, usando outras camadas de criptografia AES-128.

O malware é capaz de extrair várias informações confidenciais para criar uma identificação exclusiva da vítima e gerar um catálogo de dispositivos infectados, que passam a fazer parte de uma rede zumbi. Durante o período analisado, foram recrutados 592 clientes diferentes.