Home  >  Plataformas

IBM lança blockchain para gerenciamento da cadeia de alimentos

Food Trust permite rastrear dados de alimentos desde uma fazenda até a loja. Walmart já está utilizando nos EUA

Lucas Mearian - Computerworld EUA

08/10/2018 às 16h08

Foto: Shutterstock

A IBM anunciou nesta segunda-feira (8/10) a disponibilidade comercial de um registro eletrônico distribuído baseado em blockchain que pode rastrear os dados da cadeia de suprimento de alimentos desde uma fazenda até a loja.

Em desenvolvimento nos últimos 18 meses, o Food Trust permite que varejistas, fornecedores e produtores de alimentos vejam os dados da cadeia de suprimentos quase em tempo real, permitindo um método mais transparente e eficiente de determinar a origem e a segurança dos produtos.

Além do anúncio da disponibilidade de sua rede de rastreamento Food Trust, a IBM informou que vários varejistas e fornecedores de alimentos se juntaram aos pilotos da tecnologia blockchain, que é baseada no protocolo de padrões abertos Hyperledger Fabric. Esses varejistas incluem a Topco Associates LLC, representando 15 mil lojas; Wakefern, cooperativa de propriedade de varejistas, representando 50 empresas associadas e 344 lojas; e outros fornecedores, incluindo Beefchain, Dennick Fruit Source e Smithfield.

O Carrefour também anunciou que usará a IBM Food Trust para fortalecer seu próprio sistema de rastreamento da cadeia de suprimento de alimentos. Com mais de 12 mil locais em 33 países, as lojas usarão inicialmente o blockchain para "aumentar a confiança do consumidor" em vários produtos da marca Carrefour, disse a empresa. A meta é expandir o uso do ledger para todas as marcas do Carrefour em todo o mundo até 2022.

"Ser um membro fundador da plataforma IBM Food Trust é uma grande oportunidade para o Carrefour acelerar e ampliar fortemente a integração da tecnologia blockchain aos nossos produtos, a fim de fornecer aos nossos clientes rastreabilidade segura e inquestionável", disse Laurent Vallée, secretário geral do Carrefour.

Um dos primeiros a adotar a tecnologia blockchain, o Walmart anunciou recentemente que começará a exigir que seus fornecedores verdes insiram seus dados no IBM Food Trust. A rede de supermercados trabalhou com a IBM para promover o business case e os requisitos tecnológicos para melhorar a rastreabilidade de alimentos desde 2016.

negocio_estrategia_fusao_compra.jpg

No início deste ano, o Walmart concluiu dois pilotos da tecnologia de contabilidade distribuída usando fornecedores de mangas e carne de porco - depois de uma prova de conceito, a rede blockchain de rastreamento de alimentos está em uso. A empresa já possui 25 produtos de 10 empresas fornecedoras no blockchain autorizado. Os produtos variam de aves e frutas a iogurte. Os pilotos mostraram que a quantidade de tempo que leva para a empresa rastrear um item foi reduzida de sete dias para apenas 2,2 segundos.

Ser capaz de rastrear as origens dos alimentos ajudará o Walmart a ser mais proativo no rastreamento de doenças transmitidas por alimentos quando elas ocorrerem para impedir a disseminação de produtos contaminados, realizar uma análise básica do que deu errado e garantir que verificações de segurança estejam sendo feitas ao longo do cadeia de fornecimento, de acordo com Frank Yiannas, vice-presidente do Walmart e responsável pela segurança alimentar.

O problema que a Yiannas quer resolver é como rastrear a origem de cada peça de fruta, carne ou vegetal vendida por um varejista mundial de alimentos com 12 mil lojas - e dezenas de milhares de fornecedores.