Home  >  Negócios

Após aumentar salário mínimo, Amazon corta bônus de funcionários

Fim de bônus mensais e recompensas em ações acontece depois de empresa anunciar aumento

Da Redação

04/10/2018 às 18h05

Foto: Shutterstock

O aumento do salário mínimo anunciado pela Amazon nesta semana para os seus funcionários nos EUA, que passarão a ganhar 15 dólares por hora em novembro, veio às custas de algumas perdas, segundo informações da Bloomberg.

De acordo com a reportagem, os trabalhadores da gigante de e-commerce naquele país não terão mais direito a bônus mensais e recompensações em ações.

Até então, conforme fontes ouvidas pela Bloomberg, os trabalhadores dos armazéns da Amazon eram elegíveis a receberem bônus mensais que poderiam chegar a centenas de dólares ao mês, além de recompensas em ações.

Vale citar ainda que diversos funcionários da empresa usaram as redes sociais para reclamar sobre o corte desses incentivos, alegando que passarão a ganhar menos ao longo do ano com a mudança, aponta o The Verge.

Posição Amazon

Por sua vez, a Amazon negou que a mudança significará uma queda de rendimentos para os funcionários. “O aumento significativo no salário em dinheiro por hora mais do que compensa o fim do pagamento de incentivos e RSUs (Restricted Stock Unit)”, afirmou a companhia em comunicado enviado à NBC.

Além disso, a companhia destacou na nota que, como não é mais baseada em incentivos, a compensação dos funcionários será mais imediata e previsível.

Em entrevista à Bloomberg, o professor de contabilidade de San Diego State University, David DeBoskey, apontou uma possível razão para essa mudança na empresa. “Em um mercado de trabalho concorrido, quando

você é o líder pagando 15 dólares por hora, essa é uma grande vantagem. Eles provavelmente perceberam que as pessoas não estavam se inscrevendo nas vagas dos armazéns por conta das opções de ações.”