Home  >  Plataformas

Aplicativos híbridos e nativos: entenda as principais diferenças

Conceitos se diferenciam na forma de desenvolvimento e na experiência que oferecem para o usuário

Da Redação

28/09/2018 às 10h36

Foto: Shutterstock

Estimativas da IDC apontam que, dentre todos os usuários de smartphones, 84% utilizam Android e 16% iOS. Ao criar um aplicativo, uma das primeiras decisões que o desenvolvedor precisa tomar é sobre qual público quer atingir ao decidir que tecnologia usar.

Os tipos de aplicativos, híbridos ou nativos, se diferenciam na forma de desenvolvimento e na experiência que oferecem para o usuário -seja de interface ou de performance.

A Mastertech, startup que prepara profissionais para o futuro, explica que a escolha vai depender de itens como orçamento, do nicho que seu app irá atuar, do perfil do usuário, das experiências passadas e de suas habilidades.

Aplicativos nativos

O aplicativo nativo fica armazenado no smartphone e é baixado diretamente pelas lojas Google Play no Android ou App Store no iOS. Este app é desenvolvido pelas linguagens nativas destas plataformas e podem utilizar as funcionalidades específicas do dispositivo, como câmera, GPS, contatos, etc, além de possuir uma integração diretamente com as bibliotecas de cada um deles.

O app nativo tem um custo mais elevado, pois tem uma linguagem própria e específica do sistema operacional, desenvolvida para cada plataforma. Para você publicar o aplicativo nas lojas é necessário uma aprovação, ou seja, ele precisa estar de acordo com as políticas internas de cada uma delas. Além disso, normalmente, o app também funciona no modo offline.

Aplicativos híbridos

O aplicativo híbrido não foi desenvolvido completamente na linguagem específica de cada sistema operacional. Nesse caso, ele utiliza várias linguagens e engloba dois formatos: metade nativo e metade web app. Assim como os nativos, os aplicativos híbridos também podem ser baixados pelas lojas e utilizar as funcionalidades do dispositivo. A diferença é que, além disso, também permite o acesso através da web app, inserindo uma página web onde as informações são integradas do site para o app.

O app híbrido tem um custo mais baixo, pois envolve parte de linguagem nativa e a outra parte web. A comunidade web é gigantesca e trabalha para facilitar cada vez mais esta tecnologia a partir de ferramentas como Ionic e React JS. Um exemplo de aplicativo híbrido muito bem construído é o do Netflix, que utiliza a mesma interface para todos os dispositivos.

Confere o infográfico da Usemobile para saber mais sobre as diferenças entre os tipos de aplicativos.