Home  >  Negócios

Black Friday: como a TI pode garantir o sucesso do e-commerce

Adata é uma das datas mais esperadas pelo varejo e, para esse ano, a demanda vai ser ainda maior, segundo pesquisa

Da Redação

18/09/2018 às 11h02

black_friday
Foto: Shutterstock

Dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) apontam que a Black Friday movimentou no ano passado R$ 2,48 bilhões nas lojas virtuais, crescimento de 16% quando comparado ao ano anterior. A pesquisa mostra também que, no total, foram realizados 10 milhões de pedidos, com um tíquete médio de R$ 246.

A Black Friday é uma das datas mais esperadas pelo varejo e, para esse ano, a demanda vai ser ainda maior. Em um levantamento feito pelo Google em parceria com a Provokers com 1,5 mil consumidores, somente 9% dos entrevistados disseram que não comprariam esse ano.

Por isso, se você tem uma loja on-line e quer ter sucesso na data, prepare-se.

Muitas das empresas se preocupam em criar ações de marketing que possam atrair a atenção dos consumidores, mas é necessário que se atentem a outras áreas que envolvem o funcionamento de um e-commerce e que são determinantes para o sucesso da Black Friday: a infraestrutura de tecnologia é uma delas.

Pensando nisso, especialistas dão dicas de como se preparar de forma efetiva para a data.

Invista na plataforma

A plataforma é um ponto importante para o empreendedor dar atenção. É fundamental certificar-se de que ela, e todas as tecnologias envolvidas, estarão prontas para o grande volume de acessos. Além disso, a loja precisa ter a cara da Black Friday. “Invista em uma personalização para a data, mude as cores da loja ou até adquira um template especial. Destaque as promoções e crie banners especiais para divulgar as ofertas de forma que o cliente já entre no site e confira as principais promoções”, indica Elias Junior, diretor de parcerias da Xtech Commerce.

Aposte em soluções antifraude

Além de marketing, plataforma de e-commerce e soluções de pagamento, uma loja virtual deve contar também com um provedor de antifraude estável, especialmente em períodos de alta sazonalidade. É fundamental que a análise de risco dê conta do recado diante de um aumento considerável de vendas, anailsando compras com agilidade e extrema eficiência. Caso contrário, o lojista corre o risco de sofrer amargos prejuízos com fraudes ou, então, ficar com um pedido parado por mais tempo do que o necessário, desagradando o cliente legítimo. Se a solução antifraude fica fora do ar em um momento tão crucial como a Black Friday, o caos pode se instaurar.

"Há lojistas que vendem na Black Friday o equivalente a quase um mês. Os antifraudes precisam estar de prontidão para suportar este aumento de volume, seja na questão tecnológica e de servidores como, também, no provisionamento de equipe para atendimento e análises. Procure empresas de antifraude que trabalhem com mais de um fornecedor de DNS (Domain Name System), provisionem servidores extras para aguentar o tranco neste período e garantam que as análises automáticas e manuais sejam feitas com rapidez e sem risco de quedas de sistema", explica Tom Canabarro, co-fundador da Konduto.

Reforce a gestão

“Se você ainda não está integrado a um software de gestão online, na Black Friday, é essencial que esteja. Com um ERP, você controla todo o caminho da venda, desde o momento em que é realizada a compra, sem se preocupar em ficar conferindo o estoque toda hora, até a entrega do produto, graças a integração com empresas de logística para facilitar esse processo”, explica Sidney Zynger, Diretor de Marketing do Bling.

Aposte em uma plataforma de integração 

“Contar com plataformas de integração faz com que o empreendedor esteja bem preparado em três quesitos: infraestrutura, branding e experiência. O primeiro se dá pois, como existem muitos acessos neste período do ano, vem a necessidade de comportar esse volume. O segundo ponto é que  o empreendedor pode passar uma imagem negativa caso não tenha um bom serviço e, chegando ao terceiro, ele deve oferecer a melhor experiência para quem consome”, explica Thiago Lima, CEO  e fundador da LinkApi