Home  >  Negócios

AGU moderniza sistemas de dados com SQL Server, da Microsoft

Advocacia-Geral da União pretende diminuir prejuízos causados aos cofres públicos

Da Redação

27/08/2018 às 19h06

Foto: Shutterstock

A Advocacia-Geral da União (AGU) desenvolveu um projeto em parceria com a Microsoft para diminuir os prejuízos que devedores, pessoas físicas ou jurídicas, causam aos cofres públicos.

Com a adoção da plataforma de dados SQL Server, a AGU construiu um sistema interno capaz de cruzar dados de diferentes fontes contando com inteligência computacional. Com a nova ferramenta, as investigações de bens dos devedores ganharão agilidade.

O Sistema de Auxílio à Identificação e Localização de Pessoas e Patrimônio do Laboratório de Recuperação de Ativos (sisLABRA) vai atender aproximadamente 600 servidores da instituição, a maioria advogados e procuradores. Eles terão em mãos um sistema de pesquisa que armazena e entrega rapidamente todas as informações necessárias para elaborar ações judiciais de recuperação de ativos da União.

O sisLABRA permite consultar dados como CPF, CNPJ, registros de veículos, imóveis, embarcações, aeronaves, precatórios e RPVs e outros bens de qualquer devedor da União. Serve para acompanhar, por exemplo, o uso indevido de recursos por parte de gestores públicos e ações civis públicas movidas contra empresas ou governo. No total, são 11 bases de dados com 11 bilhões de registros (itens de pesquisa) à disposição.

O advogado da União Claudio Fontes, do Departamento de Patrimônio e Probidade da Procuradoria-Geral da União (DPP/PGU), explica que o trabalho de cruzamento de dados era feito manualmente, o que comprometia a velocidade de todo o processo. Era insuficiente para atender às demandas da AGU. "Devido a um conhecimento prévio da solução, sabíamos que os recursos do SQL agregariam valor a nossa enorme base de dados", destaca.