Home  >  Plataformas

BRB otimiza governança de dados com tecnologia Hitachi Vantara

Nova infraestrutura aumenta a eficiência das operações, otimizando processos para colaboradores e melhorando a experiência do cliente

Da Redação

14/08/2018 às 14h58

Foto: Shutterstock

O Banco de Brasília (BRB) desenvolveu um projeto em parceria com a Hitachi Vantara, para ganhar agilidade e segurança de acessos. A nova arquitetura da infraestrutura de TI visa oferecer aos clientes mais confiabilidade e rapidez nos atendimentos, garantindo alta disponibilidade, performance e segurança das informações.

Agora, o BRB possui seu ambiente de virtualização operando com uma arquitetura 100% resiliente, com ganhos em diversos procedimentos. A nova solução movimenta aproximadamente 1,5 mil servidores em até quatro minutos, reduzindo o tempo de abertura do sistema. Houve ainda, uma redução de 65% para 5% no consumo do link utilizado para a gravação e réplica dos dados do storage. A produtividade interna e planejamento de campanhas foram otimizadas, com a ampliação de 90% no nível de respostas dos servidores.

O projeto

Para elaborar o projeto e garantir o acesso aos dados em alta velocidade, a Hitachi Vantara e o BRB desenvolveram uma arquitetura baseada em ambiente VMWare, a vMSC, sustentada por um sistema GAD (Global Active Device), que une dois storages para criar um ambiente virtual (VSM), que se estende em 2 data centers, 10 hosts locais e aproximadamente 1500 servidores em modo ativo-ativo, que oferece o melhor desempenho e segurança dos dados.

A infraestrutura anterior do BRB estava baseada no sistema de réplicas entre dois data centers (ativo-passivo), o que deixava o processo mais inseguro e lento, devido à quantidade de acessos. Para chegar a essa solução, foram realizados diversos testes, considerando os possíveis cenários de falhas e identificando as necessidades e pontos de atenção do projeto.

Com a nova arquitetura, o ambiente de virtualização passou a operar como um cluster único, no qual os nós computacionais foram separados geograficamente, sem perda de performance, já que todo processo de entradas e saídas (IO) de dados passou a ser realizado no data center local. Assim, o ambiente pode apresentar um determinado volume de disco com a mesma identificação para os dois ou mais data centers, sem a necessidade de reassinar o disco, caso ocorra a indisponibilidade de um data center, ou a simples movimentação de um servidor virtual.

Edson Bispo, diretor da Hitachi Vantara, destaca que a arquitetura proposta foi implementada em todo o ambiente de produção do BRB, de forma a reduzir a latência e garantir a alta disponibilidade de acesso aos dados, o que era fundamental para atender às regulamentações do Banco Central e melhorar a experiência do usuário e do funcionário.

2 Trackbacks

Deixe uma resposta