Home  >  Negócios

Fortinet e IBM firmam acordo para troca de informações sobre ciberameaças

Colaboração proativa de compartilhamento de informações sobre ameaças fornece maior proteção aos clientes

Da Redação

09/08/2018 às 12h18

Foto: Shutterstock

Fortinet e IBM Security assinaram um acordo para compartilhamento de informações sobre ciberameaças.

O foco da iniciativa é combater globalmente, e de forma proativa, as ameaças cibernéticas e riscos à privacidade por meio do compartilhamento de informações contextuais geradas pela equipe de pesquisa de ameaças do Fortinet FortiGuard Labs e pelo time de pesquisa X-Force, da IBM Security.

Com o acordo, as equipes de pesquisa de ameaças globais da IBM Security e Fortinet passam a monitorar e analisar as ameaças de segurança de várias fontes, fornecendo inteligência de ameaças valiosa e quase em tempo real. Ao integrar as colaborações de inteligência de ameaças de cada empresa, os clientes terão os benefícios de dados mais completos disponíveis.

Caleb Barlow, Vice-Presidente de Inteligência de Ameaças da IBM Security, destaca que, ao estabelecer relações com parceiros confiáveis como a Fortinet, a IBM pode construir uma imagem mais clara do cenário global de ameaças. "Hoje, elas são altamente qualificadas, organizadas, com bons recursos e capazes de operar de maneira rápida e global. Para nos defendermos com eficácia, devemos agir com a mesma velocidade e desenvolver medidas embasadas e precisas. O tipo de defesa coletiva que formamos com a Fortinet ajuda a IBM a proteger melhor os clientes e as comunidades, equipando-nos com inteligência adicional que nos permite responder às ameaças emergentes de forma mais rápida e mais completa", afirma.

Já Phil Quade, Diretor de Segurança da Informação da Fortinet, comenta que todas as organizações enfrentam ciberameaças em constante evolução, superfície de ataque em expansão e uma escassez cada vez maior de profissionais de cibersegurança. "Inteligência viável com visibilidade global é importante para permitir que essas organizações passem de reativas para proativas. Você não pode proteger ou agir sobre o que não consegue ver; é por isso que o compartilhamento de informações sobre ameaças entre parceiros confiáveis do setor é um elemento vital para ajudar as empresas a combater ciberameaças globalmente", diz.

Deixe uma resposta