Home  >  Plataformas

Nuvem do Google está pronta para lei de dados brasileira

Diretor da companhia para América Latina afirma que companhia fez trabalho prévio com o governo, facilitando sua implementação

Vitor Cavalcanti

27/07/2018 às 9h10

Foto: Shutterstock

Se a lei de dados brasileira for aprovada da forma que está e entrar em vigor amanhã, os produtos do Google Cloud, bem como as políticas de usuários, já estarão prontos para atender a todos os requisitos. A afirmação é de João Carlos Bolonha, diretor de vendas da Google Cloud para América Latina. O executivo comentou a questão enquanto falava com jornalistas da região durante o Google Next, evento anual da companhia para clientes e parceiros, que acontece em São Fracisco (EUA).

O assunto surgiu enquanto o executivo explicava as vantagens da nuvem do Google em relação aos principais concorrentes, como AWS e Microsoft Azure, dando a entender que estar pronto com antecedência também é um dos benefícios de estar com o gigante das buscas.

Para isso, no entanto, Bolonha lembrou que houve um trabalho prévio com o governo e um amplo estudo de tudo o que vinha sendo discutido e, agora, em vias de aprovação no congresso. O mesmo trabalho tem sido feito em toda a região, principalmente após a aprovação da GDPR, a lei de proteção de dados da União Europeia.

Mas fora atendimento às regulamentações, Bolonha defendeu sua nuvem dizendo que existem três pilares fundamentais que têm garantido à companhia ganhar clientes importantes e pavimentar seu futuro como um provedor chave também de grandes empresas: o primeiro ponto é a acessibilidade, por toda a rede própria que a empresa possui, bem como seus centros de dados interconectados espalhados pelo mundo, incluindo aí todas as funcionalidades que se agregam, como as de inteligência artificial e machine learning, disponibilizadas por APIs. O segundo ponto é segurança da informação e privacidade de dados.

“Não tem espaço para desenvolver discussão de estar mais ou menos seguro. Nuvem acaba sendo uma resposta à segurança e não pergunta pelo estágio do mercado”, refletiu, ao frisar os investimentos promovidos em segurança ao longo dos últimos anos que alçou a Google Cloud a uma referência em segurança quando o assunto é nuvem, ganhando recomendações das principais consultorias especializadas no assunto.

Por fim, ele disse que outra grande vantagem que os clientes têm visto é na proposta comercial bastante agressiva que tem contribuído para importantes reduções de custo, mas, também, que inclui uma integração maior com as comunidades de desenvolvedores do Google e acesso rápido às tecnologias emergentes.

Sem mencionar taxa de crescimento ou participação no mercado, Bolonha lembrou que a região tem um potencial tremendo, principalmente quando se observa o cenário atual de nuvem, naquilo que ele chama de cauda longa: muitas empresas e projetos utilizando pouco e poucos projetos e empresas com consumo elevado.

Para ele, a tendência nos próximos quatros anos é de mudança nessa figura, com mais e mais companhias levando suas operações e sistemas críticos para o ambiente de nuvem, fazendo com que a curva se inverta, mas, sobretudo, pela guinada das grandes corporações à nuvem, mas também puxado pelo grupo de pequenas e médias que, ainda que já possuem esses ambientes, não utilizam ou desconhecem todo o potencial.

*O jornalista viajou a San Francisco, nos Estados Unidos, a convite do Google

Deixe uma resposta