Home  >  Negócios

Trump dispara contra multa da UE ao Google: “Eles se aproveitaram dos EUA”

Comissão Europeia determinou ao gigante de buscas que “ponha fim às suas práticas ilegais nos próximos 90 dias”, sob pena de novas multas

Da Redação

19/07/2018 às 15h54

Foto:

A multa da União Europeia imposta ao Google por abuso de posição dominante com o Android não foi bem recebida pelo presidente norte-americano Donald Trump.

Trump disparou contra a decisão da multa recorde de 4,34 bilhões de euros (R$ 19,4 bilhões, na conversão para o real). "Eu avisei!", exclamou ao iniciar um tweet em sua conta pessoal no Twitter, onde costuma fazer seus "desabafos".

"A União Europeia acabou de aplicar uma multa de cinco bilhões de dólares em uma de nossas grandes empresas, o Google. Eles realmente se aproveitaram dos EUA, mas não por muito tempo!", completou. (*Android: Google sugere que pode cobrar pelo Android após multa recorde da UE)

A Comissão Europeia determinou ao gigante de buscas que “ponha fim às suas práticas ilegais nos próximos 90 dias”, sob pena de novas multas. Ainda, as novas sanções podem ir a até 5% da média mundial do volume de negócios diário da Alphabet, dona do Google.

A reclamação do líder norte-americano vai ao encontro das suas promessas e intenções de proteger a economia e, consequentemente, empresas locais.

No entanto, recentemente Trump tem reclamado de outra gigantes da tecnologia dos EUA. A Amazon tem sido seu alvo mais frequente, enquanto o Google tem sido poupado das alfinetadas usuais dos tweets.

A mensagem de hoje pode ser também mais um passo de Trump em sua batalha para vencer a União Europeia. Ele inclusive já aplicou uma série de tarifas sobre produtos da UE.

O que diz o Google

A gigante de tecnologia de Mountain View anunciou na última quarta-feira (18/7) que irá recorrer na justiça contra a multa imposta pelo órgão europeu. Em post publicado no blog da empresa, Sundar Pichai, presidente-executivo do Google, afirmou que a decisão abala o "equilíbrio cuidadoso que atingimos com o Android", ao mesmo tempo que lhe preocupa que o posicionamento da UE favoreça sistemas proprietários sobre plataformas abertas.

"O Android criou mais escolhas para todos, não menos. Um ecossistema vibrante, inovação rápida e preços menores são sinais clássicos de competição robusta", disse no comunicado.

> Siga a Computerworld Brasil também nas redes sociais: Twitter, FacebookInstagram e LinkedIn