Home  >  Negócios

Fintechs e grandes bancos podem ter uma relação harmoniosa?

Startups podem ajudar as grandes empresas a diminuir problemas e aumentar inovação

Scott Carey – Computerworld UK

16/07/2018 às 15h35

fintech
Foto: Shutterstock

Agora que o sistema de open banking entrou em vigor, muitos especialistas dizem que as fintechs poderão alavancar os dados dos clientes (com sua permissão) para perturbar ainda mais os grandes bancos.

Mas, para Nicole Buisson, diretora de pequenos negócios da fintechXero (sediada na Nova Zelândia), as fintechs podem agregar valor à capacidade de resolver problemas específicos e colaborar com os bancos. "A razão pela qual as startups existem é que elas preenchem lacunas. São peças do quebra-cabeça que talvez outras empresas não estejam focadas”, diz ela.

Geoffrey Horrell, diretor de incubação de produtos da Thomson Reuters, acrescentou dizendo que há milhares de fintechs e que as barreiras à entrada de serviços financeiros nunca foram tão pequenas.

"Cada vez mais os bancos estão olhando para essas fintechs e veem que não precisam inventar tudo. Há uma grande quantidade de inovação em pequenas empresas e eles podem buscar e fazer parceria com essas novas organizações para trazer os benefícios para seus clientes", comenta ele.

Como os grandes bancos ainda possuem o relacionamento com o cliente, eles também estão bem posicionados para entrar em um novo mercado, com seus próprios produtos inovadores, tornando o ambiente mais competitivo.

Por exemplo, o Connected Money, do HSBC, permite que os seus correntistas visualizem quaisquer contas correntes, cartões de crédito, hipotecas e empréstimos do Reino Unido em um só lugar, com outros serviços de valor agregado em camadas.

Tom Bull, diretor de fintechs da EY, acredita que as fintechs têm feito um excelente trabalho ao elevar o padrão do setor, principalmente quando se trata de experiências digitais para clientes de bancos de varejo. Agora, com o open banking, isso pode ser levado adiante.

Isso poderia abrir as portas para uma nova gama de empresas de tecnologia financeira que oferecem desde ofertas de ponto de intenção por meio da análise da situação financeira de um cliente até um aplicativo para movimentar o dinheiro e obter a melhor taxa do mercado.

Cultura e Inovação

Alguns bancos estão procurando criar uma cultura de fintech dentro da própria empresa. Horrell, da Thomson Reuters, conta sobre uma experiência com a equipe de banco digital do HSBC em Honh Kong.

"Foi realmente interessante ver que eles saíram da sede e entraram em um WeWork em Hong Kong", disse ele. Essa equipe foi inicialmente responsável por trazer serviços bancários básicos para serviços de mensagens de mídia social.

Essa é um bom exemplo de uma nova tendência dos serviços financeiros: a criação de “equipes de inovação” internas nos grandes bancos. "É sempre complicado tentar centralizar a inovação. Isso significa que ninguém mais pode inovar se o responsável não tiver enxergado?”, indaga Bull. Para ele, ter alguma capacidade de inovação dentro de unidades de negócios e áreas de produtos, além de uma área inovação central com boa visão geral é parte de um bom equilíbrio.

>Siga a Computerworld Brasil também no Twitter Facebook

Tags

Deixe uma resposta