Home  >  Negócios

Huawei é investigada nos EUA por violação de lei de exportação

Norte-americanos investigam violações de sanções contra o Irã

Da Redação

25/04/2018 às 15h34

huawei2.jpg
Foto:

A empresa chinesa de equipamentos de tecnologia e telecomunicações Huawei está sendo investigada por procuradores norte-americanos por supostas violações de sanções dos EUA contra o Irã, A informação foi noticiada pelo jornal Wall Street Journal, que afirma ter ouvido fontes familiarizadas com o assunto.

Em outras palavras, a Huawei teria enviado produtos de origem norte-americana para o Irã e outros países próximos, o que viola as leis de exportação e sanções dos EUA.

A investigação está sendo liderada pela Procuradoria dos EUA no Brooklyn, em Nova Iorque, que, por sua vez, não confirma a informação. John Marzulli, porta-voz do Ministério Público, não confirmou nem negou a investigação. Já o Departamento de Justiça em Washington recusou comentar o tema.

A Huawei afirmou, em nota, que cumpre com "todas as leis e regulamentos aplicáveis em que opera, incluindo os controles de exportação aplicáveis e as leis de sanção e regulamentos da ONU, EUA e União Europeia".

EUA vs. chinesas

A notícia surge em meio à polêmica dos EUA com fabricantes chinesas. Os EUA, por meio do escritório de Indústria e Segurança do Departamento de Comércio dos Estados Unidos (BIS, na sigla em inglês), anunciaram na última semana a proibição de venda de componentes de empresas locais para a chinesa ZTE.

A intenção é impedir ou reduzir o acesso das chinesas Huawei e ZTE à economia dos EUA, em meio a alegações de que as empresas poderiam estar usando sua tecnologia para espionar norte-americanos.

A gigante chinesa tem enfrentado uma série de ações para diminuir seus negócios nos EUA e a nova investigação pode afetar a presença também em outras regiões, como a Europa.

O presidente norte-americano Donald Trump disse recentemente que a Huawei é uma ameaça à liderança do País na corrida para o futuro da comunicação móvel. A fabricante é a terceira maior no mercado de smartphones, atrás da líder coreana Samsung e da norte-americana Apple.

Deixe uma resposta