Home  >  Inovação

Thyssenkrupp inicia uso de AI para manutenção de elevadores no Brasil

Guilherme Borini

10/04/2018 às 18h52

elevador
Foto:

A fabricante alemã de elevadores thyssenkrupp anunciou nesta terça-feira (10/4) a chegada da sua solução tecnológica de manutenção preditiva ao Brasil. Agora, clientes brasileiros poderão contar com suporte da plataforma MAX, criada em parceria com a Microsoft, que utiliza tecnologias emergentes, como inteligência artificial (AI), internet das coisas (IoT) e realidade aumentada, para aumentar a eficiência dos serviços de elevadores.

Com a solução - principal projeto de transformação digital da companhia no mundo -, a empresa calcula redução de metade do tempo atual que os elevadores ficam fora de operação, aumentando significativamente a disponibilidade e a eficiência de transporte nas cidades. O serviço também amplia as alternativas e a comunicação com os técnicos de manutenção, a partir do uso do HoloLens, dispositivo de realidade mista da Microsoft (mais detalhes abaixo).

Resumidamente, os elevadores enviam dados para a plataforma de computação em nuvem da Microsoft, que, com um algoritmo de AI, analisa as informações e traz diagnósticos precisos capazes de prever falhas com antecedência, permitindo que os técnicos da thyssenkrupp possam atuar nos equipamentos antes mesmo da ocorrência de problemas relevantes.

"Com a solução, conseguimos identificar que, em até três semanas, se não tiver troca de equipamento ou ajuste, determinada porta vai falhar", comentou Sérgio Cardoso, vice-presidente mundial de operações da thyssenkrupp Elevator, durante evento de lançamento realizado no centro de inovação da Microsoft, em São Paulo.

Mais do que uma simples ferramenta de monitoramento, o foco é trazer elevadores para a era digital. "É um projeto de digitalização para transformar a indústria", define Cardoso.

Paula Bellizia, presidente da Microsoft Brasil, destaca que o projeto faz parte das iniciativas de IoT da companhia a nível global, área que terá US$ 5 bilhões de investimentos no setor nos próximos quatro anos. "Isso tudo é só o começo", disse.

A executiva lembra também que a plataforma vai ao encontro da principal missão da Microsoft: empoderar pessoas e organizações para fazer e conquistar mais com tecnologias. "Esse projeto prova que tecnologia é o meio. O poder não está na tecnologia em si, mas com o que se faz com ela. É uma honra poder participar."

Andamento

O Brasil é o quinto dos 150 países em que a empresa atua a receber a solução. Ao todo, a thyssenkrupp possui mais de 120 mil elevadores já conectados com o sistema nos EUA, Alemanha, Espanha e Coreia do Sul. Ao todo, a plataforma produz cerca de 100 GB de dados por dia, com uso de 41 mil clientes. Em 2017 foram gerados 40 mil alertas.

O Brasil é o sexto maior mercado do mundo para o segmento de elevadores com 400 mil unidades instaladas e a meta da companhia é conectar 28 mil elevadores no Brasil com o lançamento do MAX.

E os primeiros passos para chegar a esse número já estão sendo sendo dados. Hoje, 50 unidades piloto equipadas com MAX já estão em funcionamento no País, atuando de forma preditiva.

No mundo

Entre os edifícios icônicos cujos elevadores já estão conectados à nuvem por meio do MAX, está o One World Trade Center, em Nova Iorque, nos EUA. O prédio possui elevadores que se deslocam do térreo ao 102º andar em apenas 60 segundos, e drives regenerativos que convertem a energia produzida quando os elevadores desaceleram e que pode ser usada para reduzir significativamente o consumo de energia elétrica do edifício. Agora equipada com as tecnologias MAX e HoloLens, a torre está estabelecendo novos padrões de sustentabilidade e de eficiência energética.

Realidade virtual e mista

Em combinação com o MAX, a thyssenkrupp está incorporando constantemente em suas operações de campo o uso do HoloLens, dispositivo de realidade mista da Microsoft, que oferece um novo olhar aos técnicos de manutenção da empresa. Combinando soluções de IoT com o dispositivo, os técnicos podem otimizar o modo como se preparam e executam a manutenção.

No ambiente virtual é possível acessar o histórico do elevador, visualizar imagens em 3D das peças para facilitar a visualização e identificação do problema e consultar, por meio de uma chamada de vídeo, um engenheiro da empresa que remotamente poderá auxiliá-lo de qualquer outro lugar, com acesso às mesmas imagens que o técnico tem do local onde está executando a manutenção. O resultado é uma economia significativa de tempo e melhor atendimento ao cliente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *