Home  >  Negócios

De empreendedores a aceleradores de startups: conheça a história dos fundadores da CQ1 Lab

Déborah Oliveira

10/04/2018 às 12h12

cq1_lab_-_rafael_brunacci2c_antonio_loureiro_e_marcelo_vianna_1.jpg
Foto:

Antonio Loureiro e Marcelo Vianna trabalhavam na área de tecnologia da informação da Alcoa, empresa de alumínio, quando se conheceram. A primeira semente empreendedora surgiu ali, há mais de 20 anos, revela Vianna. Eles viviam o processo de migração do mainframe para plataforma baixa, o que, certamente, exigia um perfil inovador deles. Em 1997, eles decidiram deixar a empresa para fundar a Conquest One, especializada em soluções para gestão de pessoas, e um negócio pautado no digital, que realizava a comercialização de veículos on-line, vendida três anos depois da fundação.

Nesse período, veio o primeiro aprendizado como empreendedor. “O empreendedor precisa rever sua estratégia o tempo todo. Ele também deve de muita garra, ser humilde e flexível, justamente em razão das mudanças pelas quais tem de passar”, lista Loureiro, CEO da Conquest One.

Loureiro e Vianna sentiam que tinham de levar o conhecimento de anos para o mercado, ajudando outros empreendedores a terem sucesso em suas trajetórias. Há quatro anos, então, eles decidiram fazer uma imersão no mundo das aceleradoras. A época, contudo, não era favorável para o estabelecimento de uma aceleradora, muito em função da instabilidade financeira que vivia o País.

“Tivemos de trabalhar nessa fase para sobreviver e ver uma luz no fim do túnel”, revela Loureiro.
No ano passado, no entanto, o cenário extremamente positivo para os negócios da Conquest One fez os executivos retomarem a ideia da aceleradora. “Visitamos fortes ecossistemas de inovação no Vale do Silício, em Portugal e em Israel e avançamos na ideia de uma aceleradora”, conta Vianna, CRHO da Conquest One. Assim surgiu a CQ1 Lab, espaço dedicado à aceleração de startups focadas em tecnologias para o mercado de Gestão do Capital Humano, conhecidas como HRTechs.

RH inovador

Os executivos revelam que a digitalização do RH ainda é bastante baixa, com processos de aquisição e gestão de talentos feitos de forma manual e a ideia da CQ1 Lab é acelerar empresa com forte perfil tecnológico dispostas a mudar esse cenário. “Identificamos forte demanda por soluções tecnológicas no RH e o mais interessante é que a gestão de pessoas é a mesma em todo o mundo. Assim, conseguimos fomentar negócios locais e ainda globais”, explica Loureiro.

O trabalho da CQ1 Lab, portanto, é o de mentoria, e além do ecossistema de inovação do qual farão parte. A intenção da empresa não é desenvolver novos negócios para agregá-los ao seu portfólio, mas o de incentivá-los a crescer, aproveitando o conhecimento de mercado da Conquest One e sua rede de contatos. É claro, no entanto, que a aceleradora não descarta a possibilidade de investimentos financeiros diretos nas aceleradas.

CQ1 Lab

Por enquanto, a CQ1 Lab conta com duas empresas em fase de aceleração, uma voltada para avaliação de teste para contratação e a outra para avaliar a parte comportamental e social de candidatos. O interessante é que a CQ1 Lab optou por não criar períodos de inscrição, e os interessados em fazer parte do projeto podem entrar em contato com a aceleradora no portal da iniciativa durante todo o ano.

As empresas candidatas passam por uma análise que verifica o nível de maturidade do negócio, o estágio de desenvolvimento do produto/solução, aplicabilidade ao mercado, entre outros.

Investidor-anjo

A CQ1 Lab conta também com a expertise de finanças do investidor-anjo de Rafael Brunacci, somando seus conhecimentos ao trabalho de mentoria, acompanhamento das startups, modelagem financeira, e desenvolvimento dos MVPs (Minimum Viable Product - Produto Mínimo Viável).

Segundo ele, a boa notícia é que o mercado tem dinheiro de sobra para investir, mas muitos novos empreendedores, com boas ideias e produtos, não sabem como ter acesso a esses montantes.

“Meu papel, além da mentoria, aconselhando que a startup não é como um filho, é gerar acesso e conhecimento de mercado para essas startups”, sintetiza Brunacci, que tem ampla experiência em aconselhamento e conexão de startups com o mercado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *