Home  >  Plataformas

OLX migra operações para nuvem AWS e testa multicloud com Google

Guilherme Borini

17/01/2018 às 17h16

cloud
Foto:

A plataforma de compra e venda on-line OLX migrou toda sua operação para a nuvem, hospedada nos serviços da Amazon Web Services (AWS).

Com 50 milhões de usuários únicos, 1,5 bilhão de pageviews (desktop e mobile), 500 mil novos anúncios por dia e 2 milhões de vendas por mês, a empresa apresenta alto nível de exigência para performance e segurança.

Diante do desafio, Bernardo Carneiro, CTO da companhia, explica que a escolha pela Amazon se deu por alguns fatores. O primeiro deles é que parte da equipe já tinha experiência com a nuvem da AWS, o que facilitou a migração. Além disso, o executivo considera a nuvem da Amazon hoje como a mais madura do mercado e essa foi uma referência importante para a escolha do provedor, afirma.

"Ela já é arquitetada com foco em continuidade e contingência e, considerando nossos números altíssimos de demanda, a segurança geral da operação foi outro fator que pesou na escolha", destaca Carneiro, que liderou o processo de migração que durou seis meses, sem impacto significativo na operação.

A aposta da empresa com a adoção da tecnologia em nuvem é conseguir focar no desenvolvimento de ferramentas que melhorem a experiência do cliente. "A adoção por cloud é uma tendência global e que só tende a evoluir. Nos próximos anos, nossa intenção é desenvolver a plataforma com foco em machine learning. Até 2020 pretendemos ter – ao menos – 80% dos times utilizando desta plataforma."

Multicloud

Apesar de ter a AWS como tecnologia principal, a OLX está investindo também em testes multicloud. O software de gerenciamento permite que a organização mantenha parte da busca na Amazon e parte no Google. Dessa forma, Carneiro explica que consegue tirar o melhor de cada tecnologia para entregar o máximo possível de agilidade e performance aos usuários. "Hoje, usamos balanceamento elástico e expansão de disco sem limitações. Até então, a tecnologia que usávamos tornava a operação cada vez mais cara em virtude do alto volume de tráfego na plataforma", comenta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *