Home  >  Negócios

Empresas têm até dois anos para virar a chave digital, sugere estudo

Progress identifica estado crescente de ansiedade sobre embarcar na onda digital. Alguns executivos temem que já possa ser tarde demais

Da Redação

24/06/2016 às 11h34

velocidade_trem_cidade.jpg
Foto:

O discurso propagado a todo volume e aos quatro ventos pela indústria de tecnologia desencadeou um sentimento de urgência no mercado. É o que mostra uma pesquisa da Progress, que identificou certa urgência dos executivos quanto a apressar iniciativas de digitalização.

Segundo 86% dos entrevistados, suas organizações têm menos de dois anos para digitalizarem os negócios. Caso contrário, a sensação é que os retardatários começarão a sofrer perdas financeiras e de competitividade.

O levantamento, conduzido no primeiro trimestre de 2016, indagou mais de 700 líderes sobre o status atual da transformação digital . O resultado revela no mercado um "estado crescente de ansiedade" sobre embarcar nesse bonde, "com alguns temendo que já possa ser tarde demais”.

Praticamente todas (96%) organizações veem a transformação como importante ou essencial, e 62% dos executivos disseram que sua companhia ainda assume uma postura de negação sobre a necessidade de se transformar digitalmente

A pesquisa revela que 99% acreditam que o principal motor para a transformação digital é otimizar a experiência e engajamento dos clientes; 61% apontam que o envolvimento do cliente é a prioridade número 1 para os próximos 12 meses e 50% pretendem investir na construção de aplicações no próximo ano

Além disso, pouco mais da metade (58%) sinaliza que a alta dependência da TI para entregar estratégia é uma barreira para proporcionar uma melhor experiência do cliente por meio da transformação digital e mais da metade cita a falta de habilidades e liderança como principais barreiras

Enquanto tentam migrar para um contexto digital, a maior parte das companhias ainda enfrenta obstáculos em seus processos de transformação.

Os principais entraves tocam temas como falta de alinhamento interno e de competências, bem como muita resistência cultural. Outros fatores que atrapalham o movimento versa sobre limitações da tecnologia e uma incapacidade geral para executar a estratégia.

Apesar da amostragem considerável, apenas 7% dos entrevistados (49 pessoas) foram brasileiros. Quase todos executivos nacionais ouvidos concordam acerca da importância da transformação digital para os próximos 12 meses, mas o plano de investimentos ainda é tímido.

Deixe uma resposta