Home  >  Plataformas

A resposta do Google para o avanço da cloud híbrida tem nome: Stackdriver

Serviço possibilita a gestão e monitoramento de cargas que transitam em estruturas de distintos provedores

Felipe Dreher

23/03/2016 às 18h47

cloud_hibrida_nuvem.jpg
Foto:

A resposta do Google frente a realidade que “o futuro da nuvem é híbrido” (como propagam muitos fornecedores de TI!) tem nome: Stackdriver. O serviço foi apresentado oficialmente pela provedora durante o GCP Next 2016.

A tecnologia possibilita a parceiros e clientes das provedora monitorar fluxos de trabalho e cargas que transitam em estruturas de distintos provedores, incluindo Microsoft e Amazon Web Services. No futuro, o plano é permitir essa integração também com recursos em clouds privadas.

A ferramenta já estava disponível em versão teste há alguns meses e se baseia na tecnologia de uma startup adquirida pela gigante de buscas ainda em 2014. O produto está disponível gratuitamente em versão beta. Não há indicações sobre o modelo comercial ou disponibilidade geral, até o momento.

Stackdriver reforça a constatação de que as empresas não ficarão presas a apenas um modelo ou fornecedor de serviços em nuvem. O Google parece que compreendeu essa realidade e tenta posicionar-se para aproveitar tal comportamento.

O conceito de cloud híbrida orbita no discurso de muitos provedores de TI. Há algumas semanas, Cisco e IBM apresentaram diversas soluções endereçadas a demandas vindas a partir da conexão entre ambientes de nuvem pública e privada.

Um estudo da 451 Research indica que as empresas investirão, em média, um terço dos seus recursos destinados à cloud em ambientes de nuvem pública. O instituto projetou a adoção do conceito em diferentes setores da indústria pelos próximos anos e reforçou a ideia de que o contexto híbrido norteará as abordagens de cloud.

De acordo com o levantamento, até 2018, o setor de manufatura terá uma composição onde 23% dos gastos em nuvem irão para ambientes públicos e os 77% restantes se destinarão a estruturas privados. O percentual é idêntico na vertical de educação e muito parecido em organizações governamentais (22 contra 78).

A consultoria aponta que varejo deve alocar 27% dos recursos em cloud pública, saúde (28%) e finanças (29%) nesse mesmo período. O segmento mais cauteloso, de acordo com o estudo, será o de seguradoras (apenas 19% dos gastos em nuvem pública) e o com maior apetite é o de telecom (33%).

*O jornalista participa do GCP Next 2016, nos Estados Unidos, a convite do Google Brasil.

Deixe uma resposta