Home  >  Negócios

Totvs atribui queda no lucro em 2015 à agenda negativa no Brasil

Lucro da empresa encolheu 10% em comparação com 2014. "A agenda positiva teve que ser reprogramada”, atribuiu Laércio Cosentino

Felipe Dreher

17/03/2016 às 11h41

laercio_cosentino_totvs_2.jpg
Foto:

2015 foi um ano difícil para a Totvs. Nos últimos doze meses, a fabricante brasileira de sistemas de gestão passou por turbulências de ordens internas e externas: demissão de funcionários, processo confuso de sucessão no comando, transição do modelo para nuvem, recessão econômica e instabilidade política. Tudo isso, por fim, afetou o lucro da companhia, que encolheu 10% frente aos números de 2014.

“A agenda positiva dos anos anteriores teve que ser reprogramada”, atribuiu Laércio Cosentino, CEO da fabricante de software, afirmando que o ambiente negativo vivenciado no país desencadeou necessidades de ajustes na companhia. A ideia é que essas reorganizações surtam efeito e ajudem a empresa a retomar o crescimento ao longo dos próximos anos. “O resultado foi afetado por itens extraordinários”, acrescentou.

Somados os negócios Totvs e Bematech, a companhia alcançou receitas R$ 2,26 bilhões, em 2015, uma expansão sutil frente aos R$ 2,19 bilhões. Porém, o lucro encolheu 10% e atingiu R$ 283 milhões no ano, frente a um desempenho superior a R$ 314 milhões de 2014.

Durante conferência com analistas para comentar os resultados, Cosentino enfatizou o avanço na transição da empresa para o modelo de subscrição de software, que cresceu 21% e atualmente representa 10% da receita total de software, ante 8% registrado em 2014.

O fato inegável é o ano que passou foi bastante duro para a fabricante. No período, a companhia demitiu diversos funcionários e passou por turbulências na alta gestão, com um processo confuso de transição no comando que culminou com a ida de Rodrigo Kede para IBM depois de poucos meses a frente da organização.

O executivo mantém, contudo, o ar otimista. "Estamos preparados para trabalhar de forma adequada em 2016. Olhamos o cenário de médio e longo prazo. O Brasil é maior do que tudo isso que estamos passando e voltará a crescer. Quando isso acontecer, estaremos preparados para esse momento”, concluiu.

Deixe uma resposta