Home  >  Acervo

Quatro pontos de falha na adoção de uma cultura ágil

felipe.dreher

16/03/2016 às 16h45

fragil_simbolos.jpg
Foto:

Os prováveis vencedores na corrida da economia digital serão aqueles que souberem usar a tecnologia para gerar vantagens competitivas. Grande parte do sucesso das empresas se baseará na forma como se posicionam para desenvolver ferramentas mais aderentes e de maneira mais rápida e, com elas, capturar as oportunidades de mercado. Nesse contexto, temas como Agile, DevOps e APIs (interfaces de aplicações), que circulam há um tempo pelo mercado, ganham cada vez mais importância nas estratégias de transformação das empresas.

“A próxima grande revolução será puxada por software”, defende Otto Berkes, CTO da CA Techonologies, ao sugerir que os que quiserem surfar a onda que se forma terão que responder algumas perguntas como: 1) Você é capaz de dobrar a capacidade dos serviços online de sua empresa dentro de seis meses? 2) Com que frequência sua empresa atualiza as aplicações para entregar novo valor aos clientes? 3) Seus softwares oferecem insigths significativos a seus negócios? 4) A tecnologia em sua empresa ajuda a aprofundar o engajamento com seus clientes? 5) Suas aplicações mantém os clientes menos interessados em buscar um de seus concorrentes?

O cenário que se desenha é de uma integração entre os esforços de design, desenvolvimento e operações para entregar melhores experiências aos clientes. E, caso não tenha todas as respostas sobre como vai agregar valor de forma constante a indústria reforça que é melhor trabalhar em pequenas entregas rápidas e evolução contínua, focando nos serviços que melhoram a inteligência de negócios e instrumentalize tudo para achar a fonte dos problemas de maneira mais simples e rápida.

Acontece que esses conceitos exigem uma nova postura para compreender como é possível ser mais veloz e interativo, migrando de um modelo de grandes entregas para um de pequenos sprints. “Muitas empresas dizem que são ágeis, mas tem rodado o modelo de uma forma tradicional. Saber onde está na jornada e qual é o nível mais adequado de adoção de metodologias ágeis. o sucesso está na forma como as empresas executam a estratégia de desenvolvimento ágil”, afirma Jeff Moloughney, diretor de marketing de produtos de gerenciamento de TI da CA Technologies.

O executivo citou quatro pontos em que observa as empresas falharem em suas tentativas de adotar metodologias ágeis e uma postura de DevOps.

1. Não se conectar com o cliente. A relação entre a organização e seu público fica cada vez mais estreita para, dessa maneira, ser possível pegar feedbacks e promover melhorias constantes. A ideia é que essa relação permita um processo cíclico para evoluir ferramentas de forma constante.

2. Não compreender que não se trata (apenas) de ferramentas. Tecnologia é o habilitador, não o fundamental. Na verdade, o que as empresas mais precisam em um processo de adoção de Ágil e DevOps é do estabelecimento de novos processos. Essas metodologias estão disponíveis e já foram testadas. Claro que em um ambiente que considera, por exemplo, cerca de 10 mil deployments por mês precisará de automatização.

3. Não criar uma cultura adequada. Trata-se de uma mudança cultural. O executivo reforça que Ágil e DevOps exigem uma transformação na maneira como as organizações trabalharam ao longo das últimas duas décadas. A liderança da organização tem um papel fundamental nesse processo de criar a nova mentalidade e trabalhar para que seja adotado de forma ampla.

4. Não compreendem que talvez não seja para tudo. O conceito de bimodal cunhado pelo Gartner talvez sirva para compreender que, apesar do maravilhoso mundo novo embutido no discurso da transformação digital, ainda existirão sistemas de sustentação de operações que, por sua natureza, talvez não demande tanta agilidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *