Home  >  Segurança

Empresas ainda não estão preparadas para riscos cibernéticos

Para investidores, corporações precisam abordar a cibersegurança como questão de risco aos negócios e não somente como problema da área de TI

IDG News Service

25/05/2015 às 18h28

seguranca_chave_criptografia.jpg
Foto:

Investidores acreditam que a maioria das companhias em que eles têm investido milhões ainda não estão preparadas quando o assunto se trata de cibersegurança. Esse é o cenário traçado por uma pesquisa da KPMG com 135 investidores globais cujos investimentos superam a casa dos US$ 3 trilhões.

O relatório também aponta que 79% do universo pesquisado não apoiariam negócios que já foram invadidos.

Ainda, segundo a mesma pesquisa, investidores acreditam que menos de metade dos conselhos de administração das empresas, nos quais eles atualmente investem, possuem competências adequadas para gerir o risco cibernético.

Segundo o estudo, eles acreditam que 43% dos conselhos têm habilidades e conhecimentos inaceitáveis quando se trata de gerir inovação e riscos no mundo digital.

O mesmo sentimento foi encontrado em outra pesquisa da KPMG, feita com 350 empresas, que identificou que 39% dos quadros de gestão mostrou que seu entendimento na área é ineficiente.

Malcolm Marshall, líder global de cibersegurança da consultoria, defende que "investidores vêem a violação de dados como uma ameaça para o valor de uma organização e que se sentem desanimados em investir em negócio cujos dados foram comprometidos".

"Há uma expectativa de investidores em empresas que aumentam seus recursos em cibersegurança. Em um mundo onde violações são comuns, é razoável esperar que os conselhos estejam preparados. Mas o que estamos vendo são companhias tendo dificuldades para demonstrar que estão levando o assunto seriamente", seriamente.

Para Marshall, as empresas precisam entender e abordar a cibersegurança como uma questão de risco aos negócios e não somente como um problema exclusivo da área de TI. Da mesma forma, discussões sobre o assunto devem integrar a agenda dos conselhos diretores com frequência regular.

Deixe uma resposta