Home  >  Acervo

Empresa digital força mudança de perfil dos líderes de TI

Evolução das tarefas dos CIOs pede postura menos processual e alça a tecnologia ao patamar de habilitadora de modelos de negócios disruptivos

Felipe Dreher

07/10/2014 às 8h35

Foto:

A transformação das empresas em organismos cada vez mais digitais imprime, aos poucos, suas marcas nos executivos que comanda as estratégias de TI. Um levantamento do Gartner aponta para a necessidade de adaptação no perfil de atuação dos líderes de tecnologia das organizações. 

Uma pesquisa conduzida pela consultoria com mais de 2,8 mil CIOs – responsáveis por um budget da ordem de US$ 397 bilhões e espalhados por 84 países – revelou que 75% dos respondentes tem consciência da necessidade de mudança em seu estilo de liderança em um intervalo de três anos. “Capturar a oportunidade digital apenas incrementando o desempenho de tecnologia não é o bastante”, sintetiza Dave Aron, vice-presidente do instituto. 

A digitalização dos negócios deixa de ser coadjuvante no jogo corporativo. Aos poucos, empresas abraçam o conceito, que traz a missão de adotar uma postura tecnológica menos amarrada a eficiência operacional de processos internos e mais como uma habilitadora para o desenvolvimento de modelos de negócios, serviços e produtos disruptivos. 

“A digitalização está transformando todos os tipos de companhias e setores. Mais frequentemente do que nunca, essas mudanças representam tanto uma oportunidade massiva quanto um desafio substancial para a organização de TI. Não se trata apenas de uma forma de ganhar competitividade, mas também uma habilidade de converter desvantagens em vantagens”, sinaliza o Gartner. 

Assim, os CIOs agora ganham a oportunidade única de avançar práticas de liderança em informação, tecnologia, valor e pessoas para entregar a promessa digital como vetores de negócio. Há, contudo, algumas barreiras a vencer.

“Talvez o maior obstáculo, quando se trata de aproveitar a oportunidade trazida pelo mudo digital resida no fato de que muitas disciplinas desenvolvidas pelas organizações de TI ao longo dos últimos anos são mal adaptadas para explorar e responder demandas dos negócios digitais”, vê a consultoria. 

Um exemplo disso, cita, reside no fato de que a maioria dos executivos de tecnologia ainda pensa em inovações em termos de paradigmas tecnológicos. “Se isso continuar, a oportunidade digital pode ser perdida”, adverte, sinalizando que a mudança requer transformação quanto a abordagem do “legado em primeiro lugar” para o “digital em primeiro lugar”, o que pressupõe abraçar cloud, mobile, big data de maneira intensa. 

Outro desafio revela que a maioria das empresas atualmente tende a se concentrar no que é facilmente mensurável (por exemplo: custos de TI) e não no que é mais valioso ou requer mais atenção. “Os CIOs deverão inverter seus estilos”, comentou Graham Waller, vice-presidente do programa executivo do Gartner. 

De acordo com o estudo, 89% dos CIOs concorda que as oportunidades trazidas pela digitalização elevarão os riscos. Além disso, 69% afirmou que a disciplina de gestão de riscos não se manterá idêntica a atual, o que forçará os líderes de tecnologia a reverem constantemente suas políticas de segurança.  

Para finalizar, o levantamento do Gartner demonstra também que os investimentos não apresentarão crescimento “exuberante” para o próximo ano. Executivos consultados apontam que 79% dos gastos com tecnologia ocorrerão “dentro” do orçamento da área de tecnologia, sendo que muito da inovação digital pode e será financiada fora dos gastos planejados com TI.