Home  >  Plataformas

Um terço dos empregos será substituído por softwares ou robôs até 2025

Máquinas darão a tônica de uma nova revolução industrial. Aparentemente, contexto não difere do cenário já vivido pela humanidade nos séculos anteriores

Computerworld

06/10/2014 às 17h51

Foto:

Caso você seja uma daquelas pessoas que acha que o mercado de trabalho está difícil nos dias de hoje, espere até ver como será em 2025. As profecias apontam para um cenário quase de ficção científica. 

Softwares, robôs, drones e outras tecnologias deverão substituir um terço da mão de obra humana em pouco mais uma década. Acreditando ou não, isso tem tudo a ver com sua vida. 

“Um dia, veículos aéreos não tripulados serão nossos olhos e ouvidos”, projetou Peter Sondergaard, diretor de pesquisas do Gartner. Para ele, dentro de cinco anos, esses aparelhos voadores se tornarão padrão em muitas indústrias, como agricultura, óleo e gás e segurança. 

O especialista diz que esse é apenas um pequeno exemplo de como as tecnologias emergentes ocuparão espaços muito além do mundo tradicional de TI. Máquinas inteligentes chegam como um ferramental que substituirão uma enorme variedade de funções, braçais ou intelectuais.

Além disso, softwares com capacidades cognitivas ganharão terreno em outras áreas, incluindo serviços financeiros, diagnósticos médicos e toda outra sorte de trabalhos. Com isso, o conhecimento será automatizado, vislumbra Sondergaard.  

“Acreditamos que um em cada três postos de trabalho será convertido em funções exercidas por software, robôs ou máquinas inteligentes até 2025”, ratifica o especialista, pontuando que essas tecnologias executarão as tarefas de maneira mais rápida e certeira que a mãos humanas.  

cybersecurity.jpg

Lawrence Strohmaier, CIO da Nuverra Environmental Solutions, observa que essas previsões são bastante similares com o que já ocorreu em outras eras de avanço tecnológicos. Resta saber se a máxima de Charles Darwin seguirá valendo nesses próximos turbulentos anos e o mais apto sobreviverá.

*Com informações do IDG News Services.