Home  >  Negócios

IBM investe US$ 1 bilhão para acelerar desenvolvimento em nuvem

Além da plataforma BlueMix, empresa anunciou a compra da Cloudant e reforço de sua estratégia para impulsionar a adoção de cloud

Edileuza Soares

25/02/2014 às 10h14

Foto:

Disposta a acelerar a entrada das empresas na nuvem, a IBM está aplicando mais US$ 1 bilhão de dólares em novas iniciativas para encurtar o tempo das empresas no desenvolvimento de software como serviço (SaaS) e integração para a Terceira Plataforma apoiada além, de cloud computing, nos pilares mobilidade, Big Data e social mídia. O investimento faz parte da estratégia companhia para tornar a nuvem mais dinâmica, com uma série de anúncios apresentados durante o Pulse 2014, que abriu ontem (24), em Las Vegas (EUA) e se estende até amanhã.

Focado em cloud computing, o Pulse reúne este ano aproximadamente 11 mil pessoas, entre desenvolvedores, clientes, parceiros de negócios e experts nesse assunto. Na abertura do evento, Erich Clementi, vice-presidente da unidade global de serviços da IBM, observou que as empresas estão sendo muito pressionadas a darem respostas com mais velocidade aos negócios de forma inovadora. Ele destacou que, no momento atual, os clientes têm novas expectativas, pois querem serviços em tempo real, maior engajamento das organizações e atendimento personalizado.

Esse cenário sinaliza que os que não se reinventarem estão ameaçados, como mostrou David Pogue, jornalistas colunista do New Work Time, que faz blog "Pogue`s Posts", lembrando os serviços de mensagem de voz das operadoras móveis, que já não atende mais as necessidades das pessoas, que querem respostas em tempo real.   

"Os negócios estão mudando muito rapidamente e o mercado pede velocidade", enfatiza Clementi. Ele lembra que as redes sociais estão alterando as regras do jogo e que as companhias precisam se transformar para entregar produtos e serviços com inovação em menor espaço de tempo. 

Essa exigência desafia os executivos de negócios e os CIOs, que não têm muitos recursos para aplicar em novas tecnologias, já que 70% de seu orçamento ainda é para manter a parte operacional em funcionamento.  A cloud pode ser uma grande aliada nesse processo, acredita o executivo.

Para ajudar as companhias na adoção da nuvem, a IBM aumentou o seu leque de serviços para tornar o consumo da cloud mais fácil. Uma das novidades apresentadas no Pulse 2014 foi plataforma com codinome BlueMix, para prover serviços integrados com aplicações móveis, rede social e Big Data.

Robert LeBlanc, vice-presidente mundial da área de software da IBM, constata que uma das maiores barreiras das empresas para adoção da nuvem é integração das aplicações. Segundo ele, a plataforma BlueMix, que é uma suíte de serviços de padrão aberto, vai permitir também que os desenvolvedores criem aplicações mais rápido. "Em cinco minutos é possível desenvolver uma aplicação para mobilidade", disse o executivo.

Outra iniciativa para encorajar as empresas a migrarem para nuvem foi apoio da IBM ao projeto de open source Cloud Foundry (CF), para desenvolvimento de aplicações em plataforma como serviço (PaaS), que tem outros associados como HP, EMC e SAP.    

Ainda no Pulse 2014, a IBM anunciou a compra de mais uma empresa da área de cloud computing. Trata-se da Cloudant, que distribui a plataforma de banco de dados como serviço (DBaaS), que é o NoSQL, com o objetivo de impulsionar, principalmente o desenvolvimento de aplicações para dispositivos móveis.

A Cloudant chega para somar esforços com a SoftLayer e outras aquisições já realizadas pela IBM para entregar aos clientes aplicações combinadas de nuvem, que possam orquestrar redes públicas, privadas e híbridas, com ofertas de infraestrutura como serviço (Iaas), SaaS, PaaS e BaaS. 

A companhia já aplicou US$ 7 bilhões em aquisições de empresas na área de cloud. No ano passado pagou US$ 2 bilhões pela SoftLayer, provedora de aplicações em SaaS, que tem a missão de apoiar, principalmente startups, para que possam acessar o mercado mais rapidamente, sem precisar construir infraestrutura de TI. 

Outra parcela de US$ 1,2 bilhão está sendo destinada para ampliação de data centers, com a construção em 2014 de mais 40 sites ao redor do mundo. Entre estes, dois já foram anunciados para inauguração na América Latina, um ficará no Brasil e outro no México.

*A jornalista viajou para Las Vegas a convite da IBM