Home  >  Negócios

Empresas brasileiras devem gastar US$ 175 bi com TIC em 2014, diz IDC

Despesas com essa área vão crescer 9,2% este ano, puxadas pelos projetos da Terceira Plataforma apoiada nos quatro pilares: mobilidade, social mídia, cloud computing e Big Data.

Edileuza Soares

05/02/2014 às 20h15

Foto:

Os gastos com Tecnologia da Informação e Telecom (TIC) vão crescer 9,2% em 2014 no Brasil e alcançar cerca de US$ 175 bilhões, segundo previsões da IDC. Estudos preliminares apresentados na manhã desta quarta-feira (05/02), em São Paulo, por analistas do instituto de pesquisas apontam que esse aumento será puxado pela Terceira Plataforma, a nova TI pós PC, que é apoiada em quatro pilares: mobilidade, social mídia, cloud  computing e Big Data.

Embora o índice de crescimento do volume de investimentos em TI em 2014 no País esteja abaixo dos 9,5% registrados em 2013, Alexandre Campos Silva, diretor da área de Consumo e Telecom da IDC Brasil, afirma que o mercado local ainda é o que mais vai se expandir este ano, em comparação com os demais ao redor do mundo. 

Pelas previsões da IDC, a taxa de crescimento do setor na América Latina para 2014 é de 8,2% e do mercado mundial de 4,5%. O Brasil se mantém como o quarto maior mercado de TI, atrás dos Estados Unidos, China e Japão.

Ao analisar as projeções para o mercado brasileiro, a IDC traçou dez tendências para o País em 2014, levando em conta investimentos na Terceira Plataforma. Veja a seguir quais são:

1. Executivos de negócios aumentam influência nos investimentos de TI

Das despesas de US$ 175 bilhões previstas com TIC para este ano, US$ 6 bilhões serão gastos por outras áreas. Campos observa que muitos executivos de negócios estão comprando serviços diretamente, pulando a TI, para aceleram seus processos. Um exemplo disso são os contratos de cloud computing. 

2. Terceira Plataforma incentiva upgrade das redes de dados

As redes corporativas vão precisar se modernizar para suportar o alto volume de tráfego que será gerado pelos novos dispositivos móveis. Para atender as novas demandas, a IDC prevê que a maioria dos switches comercializados no Brasil terão velocidades de 10 Gbps.

3- Operadoras vão vender mais serviços ligados à Terceira Plataforma

Os serviços de dados devem ser a peça central nas ofertas das teles. Com isso, a receita com banda larga móvel deverá crescer 21%, sustenta pelas redes 3G e 4G com a popularização dos smartphones. A IDC estima que a base de usuários de 4G vai triplicar, passando de 1 milhão em 2013 para 3 milhões em 2014.

4- Big Data/Analytics amplia seu espaço, mas ainda há desafios

Ainda não será em 2014 que o Big Data alçará grandes voos no Brasil. As projeções da IDC são de que os gastos com projetos nessa área atingirão US$ 426 milhões ao longo deste ano. 

O analista Alexandre Campos constata que esse tema está na prioridade dos CIOs, mas que eles têm que implementar com mais urgência projetos de mobilidade e de nuvem. Por isso, Big Data andará com lentidão.

Além disso, os gestores enfrentam desafios para adoção das ferramentas analíticas, como formar talentos especializados e mostrar que essa tecnologia gera mais valor que as de analytics tradicional. 

5 – Data centers terão um papel fundamental

As empresas vão precisar modernizar suas infraestruturas para aderir à Terceira Plataforma. Como muitas estão com centros de dados no limite, muitas devem recorrer aos serviços de infraestrutura na nuvem (IaaS). Entretanto, a busca por colocation e hosting permanecerá forte em 2014. Essa demanda deverá impulsionar em mais de 20% as vendas de servidores no Brasil em 2014 para atender data centers internos e externos.

6- Modernização de aplicações vai continuar alavancando a adoção da cloud pública

Os investimentos em cloud pública em 2014 devem atingir US$ 569 milhões, estimulados pelas ofertas de software como serviço (SaaS). Para 2017, a IDC estima que a cloud pública vai movimentar US$ 2,6 bilhões.

7- Transição para dispositivos móveis seguirá acelerada

Das vendas de 71 milhões de smart connected devices (Pcs, notebooks, tablets e smartphones) previstas pela IDC para este ano, 58 milhões de unidades serão dispositivos sem fio. Desse total, 47 milhões devem ser smartphones e 10,7 milhões tablets.

Bruno Freitas, analista da área de consumer e devices da IDC Brasil, afirma que as vendas de smartphones devem crescer 36% no País em 2016, impulsionadas pelos incentivos do governo federal e estratégias agressivas das teles para que os usuários migrem para  aparelhos inteligentes.   

8- Pressões do BYOD

Dos 58 milhões de dispositivos móveis (tablets e smartphones), que serão comercializados no Brasil em 2014, cerca de 5 milhões vão entrar nas companhias pela porta do Bring your own device (BYOD), desafiando os CIOS, segundo a IDC. Eles terão de investir em segurança e gestão de mobilidade. 

A consultoria prevê que 39% das empresas no Brasil vão incluir dispositivos pessoais em plataformas de Mobile Device Management (MDM).

9- Enterprise Mobility

Com o crescimento do uso da mobilidade nas empresas, os CIOs vão investir mais em aplicativos para criar um ecossistema que atenda equipes que precisam trabalhar remotamente, como vendas e profissionais de campo. 

10- Internet das coisas acelera com aplicações B2B

Essas aplicações vão movimentar US$ 2 bilhões no Brasil em 2014, com soluções para atender áreas de logística, saúde, indústria de manutafura e energia, entre outros segmentos.