Home  >  Plataformas

JavaFX pode decolar nas mãos da Oracle?

Ferramenta herdada pela Oracle, que permite o desenvolvimento de aplicações multimídia para dispositivos convergentes, ainda é vista com desconfiança.

Infoworld

24/03/2010 às 7h00

Foto:

Quase três anos após seu lançamento, o desenvolvimento de aplicações multimídia na plataforma JavaFX, herdada pela Oracle com a compra da Sun Microsystems, ainda não decolou. A ferramenta permanece como mais uma entrante em um mercado cheio de opções, o que acaba provocando questionamentos sobre a possibilidade de sucesso da tecnologia.

Apresentado durante a conferência JavaOne em maio de 2007, o JavaFX queria pegar carona no mercado crescente de desenvolvimento de aplicações multimídia para desktops e dispositivos portáteis.

A primeira versão, JavaFX 1.0, foi entregue em dezembro de 2008. Até junho de 2009, mais de 400 mil downloads das ferramentas e seu SDK (pacote de desenvolvimento) foram realizados, de acordo com a página oficial da plataforma. O site informa ainda que a tecnologia está disponível em mais de 250 milhões de desktop, criando espaço para a penetração das aplicações. A integração com o Java runtime seria mais um dos trunfos.

O problema é que, já na época de seu surgimento, a tecnologia já tinha alguns rivais de peso no mercado, como Adobe Flash, Microsoft Silverlight e AJAX, os três com uma penetração considerável.  Além disso, o protocolo HTML5, que já inclui a possibilidade de criar aplicações e conteúdos multimídias ricos sem o uso de plataformas de terceiros, é outro adversário que pode por em xeque sua continuidade.

Esforço da Oracle

Apesar de aparentemente remar contra a maré, a Oracle está enfatizando seu compromisso com o desenvolvimento da ferramenta. De acordo com a diretora de desenvolvimento Java da companhia, Nandini Ramani, a empresa se esforça em garantir integração da plataforma com recursos gráficos dos softwares multimídia mais populares. “A meta é transformar o programa em uma espécie de agregador de diferentes conteúdos multimídia”, diz a executiva

Alguns desenvolvedores não estão muito otimistas quanto ao futuro da ferramenta. O membro do grupo de usuários Java de Saint Louis (EUA), Mark Volkmann, não acredita que o lançamento tenha sido tardio, mas opina que a plataforma se movimentou muito lentamente desde seu lançamento.  “ No momento, não tenho muito interesse em JavaFX. Prefiro HTML5 para as aplicações multimídia junto com outras plataformas de desenvolvimento da família Java”, justifica.

O membro do grupo de usuários de Nova York, Frank Greco, acredita que o JavaFX é melhor que as tecnologias rivais. Ele chegou a desenvolver algumas aplicações pequenas na plataforma, mas afirmou que a falta de um suporte mais adequado da Sun pode impossibilitar seu sucesso. “A superioridade pode não contar mais em um momento no qual há outras tecnologias bem mais consolidadas”, adiciona.

O chefe de tecnologia para middleware da Red Hat, Mark Little, acredita que o JavaFX ainda tem uma chance, mas somente se a Oracle conseguir construir algum negócio em torno da plataforma . “Se isso não ocorrer, a tecnologia morre”, opina. O negócio, segundo Greco, seria viabilizado com a construção de mais ferramentas de suporte para a plataforma e integração com mais ambientes de desenvolvimento.

Como resposta, Nandini ressalta que toda a plataforma Java está passando pelas melhorias que vem sendo exigidas dos desenvolvedores há anos, incluindo a implementação conjunta de Java em múltiplas telas, incluindo celulares, TVs, desktops e navegadores, o que pode alavancar o uso do FX.

JavaFX tem seus defensores
Fora a palavra da própria Oracle, que obviamente gosta de destacar JavaFX como próxima grande plataforma multimídia, a ferramenta atraiu desenvolvedores que a admiram e defendem. De acordo com o vice-presidente sênior da empresa norte-americana especializada em conteúdos digitais VNI Media, Jim Weaver, a tecnologia está se desenvolvendo razoavelmente bem. “Há questões que precisam ser melhoradas, como a velocidade de implementação para o ambiente Java Runtime, mas a plataforma manterá seu espaço mesmo com a chegada do HTLM5, que continua sendo uma mera linguagem de hipertexto”, aposta.

Weaver enumera ainda, como vantagem, a compatiblidade com classes nativas de Java, ao contrário das outras tecnologias, nas quais os desenvolvedores precisam usar pontes para acessar essas classes. A Silverlight, por sua vez, estaria excessivamente atrelada à plataforma da Microsoft e a Ajax tem questões relacionadas à instabilidade no browser. “Não acredito que seja tarde para que a JavaFX ganhe força no mercado”, completa o executivo.

Deixe uma resposta